"Espanha e Portugal e o custo dos seus deputados, foi a conta a que me propus fazer. Para quem ainda não percebeu porque é que os portugueses pagam, em média, mais de 30% de impostos do que os espanhóis, bastará que se faça as contas ao custo dos regimes políticos e seus representantes", começa por se alegar no texto da publicação.

"Ora, o Orçamento das Cortes de Espanha para 2018 (composto de 266 senadores do Senado, ou Câmara Alta, e 350 congressistas, ou Câmara Baixa, somando no total 616 deputados) está limitado a 54.054.110,00 euros", salienta-se, para depois se estabelecer a comparação com Portugal: "Já o Orçamento da Assembleia da República, composta de 230 deputados, tem para 2018 programado o montante de despesas de 104.909.890,00 euros".

Confirma-se que os deputados de Portugal são "40 vezes mais caros" do que os deputados de Espanha?

No que respeita à Assembleia da República, em Portugal, no respetivo orçamento para 2018 programou um gasto total de 104,9 milhões de euros, tal como se indica na publicação.

Quanto às Cortes Gerais, em Espanha, para 2018 programou um gasto total de 54 milhões de euros, tal como é referido na publicação. Contudo, além do orçamento das Cortes Gerais, há mais dois orçamentos para cada uma das câmaras (alta e baixa) que compõem as Cortes Gerais. O Congresso dos Deputados (câmara baixa) teve um orçamento de cerca de 39 milhões de euros em 2o18, ao passo que o Senado (câmara alta) teve um orçamento de cerca de 54,1 milhões de euros no mesmo ano.

Ou seja, no total, as Cortes Gerais de Espanha gastaram mais de 147 milhões de euros em 2018, enquanto a Assembleia da República de Portugal despendeu cerca de 105 milhões de euros. No caso de Espanha, acrescem as 17 comunidades autónomas e respetivos parlamentos (em Portugal há apenas duas assembleias regionais das regiões autónomas da Madeira e dos Açores).

E em 2020? Este ano, o orçamento das Cortes Gerais tem uma despesa prevista de cerca de 55,6 milhões de euros, ao passo que o Congresso dos Deputados programa gastos de cerca de 86,9 milhões de euros e o Senado aponta para 54,1 milhões de euros. Ou seja, no total, as Cortes Gerais de Espanha deverão gastar mais de 196,6 milhões de euros em 2020.

Por seu lado, a Assembleia da República, em Portugal, tem orçamentada para 2020 uma despesa total de cerca de 88,1 milhões de euros.

"Mesmo sem contar com o facto de não ter que pagar subvenções para campanhas eleitorais, a Assembleia da República prevê gastar em 2020 menos dinheiro do que gastou este ano [em 2019]. De acordo com o orçamento do Parlamento aprovado na passada quinta-feira por todos os partidos e com a abstenção do Chega e da Iniciativa Liberal, o total da despesa de funcionamento e investimento deverá ser de 88,1 milhões de euros, ao passo que o orçamento suplementar deste ano previa que esse total fosse de 93,2 milhões de euros", noticiou o jornal "Público", a 16 de dezembro de 2019.

Concluímos assim que informação veiculada na publicação sob análise é grosseiramente falsa e enganadora.

***

Nota editorial: este conteúdo foi selecionado pelo Polígrafo no âmbito de uma parceria de fact-checking com o Facebook, destinada a avaliar a veracidade das informações que circulam nessa rede social.

Na escala de avaliação do Facebookeste conteúdo é:

Falso: as principais alegações do conteúdo são factualmente imprecisas; geralmente, esta opção corresponde às classificações “Falso” ou “Maioritariamente Falso” nos sites de verificadores de factos.

Na escala de avaliação do Polígrafoeste conteúdo é:

Notificações

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.
Falso
International Fact-Checking Network