"Já foram descobertos mais nomes mal escritos no obelisco recentemente inaugurado em Oeiras: 'Sofia' Mello Breyner A., Carlos 'Drumon' de Andrade, Teixeira 'Pascoais' e 'Izaltino de Moraes'", destaca-se num tweet de 7 de maio, mostrando uma imagem do novo monumento com os referidos nomes e a ortografia errada sublinhados a vermelho.

Várias outras publicações nas redes sociais apontam para os mesmos erros, além de um outro que já era conhecido: "laser" em vez de "lazer".

Questionada pelo Polígrafo, a Câmara Municipal de Oeiras (CMO) assegura que esse erro já foi retificado e enviou uma fotografia da placa, exibindo a nova versão com "lazer".

Quanto aos nomes de Sophia de Mello Breyner, poetisa portuguesa, Carlos Drummond de Andrade, poeta brasileiro, e Teixeira de Pascoaes, poeta português, apresentam também grafias incorretas. "Sofia", "Drumond" e "Pascoais" são os erros identificados.

A CMO reconhece também esses outros erros, sublinhando ao Polígrafo que todas as "patologias" da escultura, incluindo o desgaste que já apresenta na pedra poucas semanas após a inauguração, são do seu conhecimento.

"Serão todas corrigidas num prazo de 30 dias, sem custos para o município", garante.

A inauguração do monumento foi realizada no dia 25 de abril e transmitida em direto na página da CMO no Facebook. Tal como o Polígrafo verificou em artigo recente, o "Obelisco do Templo" teve origem num contrato por ajuste direto, visando a "aquisição de conjunto escultórico Obelisco - Monumento para o Parque dos Poetas", e custou cerca de 600 mil euros.

______________________________________

Avaliação do Polígrafo:

Siga-nos na sua rede favorita.
Verdadeiro
International Fact-Checking Network