O atual presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, está novamente envolvido em polémica depois de ter afirmado, na cerimónia de aniversário do Corpo de Fuzileiros Navais, no Rio de Janeiro, a 7 de março, que a democracia e a liberdade religiosa só existem devido às Forças Armadas.

Bolsonaro falava sobre a sua “segunda missão” para o país, tendo assegurado que seria cumprida “ao lado de pessoas de bem”. Referia-se às Forças Armadas e foi nesse sentido que o presidente do Brasil disse então que “a democracia e a liberdade só existem quando a sua respectiva Forças Armadas assim o quer” [sic].

Estas declarações de Bolsonaro geraram uma intensa controvérsia pública no Brasil. Ao ponto de o vice-presidente, Hamilton Mourão, e o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno, terem tentado desvalorizar o caso e explicar o que Bolsonaro realmente pretenderia dizer, logo nos dias seguintes.

Na sequência desta nova polémica, diversos textos de apoio a Bolsonaro começaram a circular nas redes sociais, sobretudo via WhatsApp. E alguns desses textos apontavam para o ex-presidente dos Estados Unidos da América (EUA), Barack Obama, como tendo proferido algo similar num discurso do Memorial Day (dia em que se homenageiam os combatentes norte-americanos mortos em combate). Ou seja, Bolsonaro tinha dito algo que Obama já dissera anteriormente e não causara tamanha indignação. É esse o argumento dos textos em causa.

Transcrevemos um desses textos, como exemplo:

“O ex-presidente Barack Obama dos EUA, num pronunciamento que fez no Memorial Day, reproduziu uma fala de um reverenciado chefe militar norte-americano, Charles M. Province: ‘É graças aos soldados, e não aos sacerdotes, que podemos ter a religião que desejamos. É graças aos soldados, e não aos jornalistas, que temos liberdade de imprensa. É graças aos soldados, e não aos poetas, que podemos falar em público.

É graças aos soldados, e não aos professores, que existe liberdade de ensino. É graças aos soldados, e não aos advogados, que existe o direito a um julgamento justo. É graças aos soldados, e não aos políticos, que podemos votar’. Imaginem se o presidente Bolsonaro fizesse esta citação, a imprensa iria fazer um escarcéu, mas como foi o Obama…”

Ora, a plataforma de fact-cheching “Boatos.org” comprovou que o ex-presidente dos EUA nunca tinha proferido tais frases, citando Province. Todas as declarações públicas dos presidentes dos EUA estão compiladas nos arquivos da Casa Branca, disponíveis para consulta, e não há registo das frases que lhe são atribuídas no texto em análise. Mais, o próprio Province já assegurou entretanto que nunca foi citado por Obama, ao ser questionado por outra plataforma de fact-checking do Brasil.

“Resumindo: a história que aponta que o ex-presidente dos EUA, Barack Obama, disse que são os soldados os responsáveis pela liberdade é falsa. Nada consta nos discursos de Obama e o próprio autor da declaração disse que nunca foi citado por ele”, conclui a “Boatos.org”.

Avaliação do Polígrafo:

Siga-nos na sua rede favorita.
Falso
International Fact-Checking Network