De acordo com a teoria que está a propagar-se no Facebook e demais redes sociais, a "narrativa criada" em torno do dióxido de carbono (CO2) e "respetivas emissões humanas" é uma "farsa". Como assim, uma "farsa"? Porque, assegura-se, "o COnão é poluente. O COé o gás da vida. Sem CO2 não há vida. Com mais COhá mais vida, mais recursos e maior biodiversidade".

Nesse sentido, alega-se que "as emissões humanas representam 0,35% do total de emissões de CO2", algo que é classificado como "insignificante". Mais, o dióxido de carbono "não tem propriedades físicas ou químicas que lhe permitam ter qualquer influência no clima. O Sol, a radiação cósmica, a cobertura de nuvens, os oceanos e os vulcões são os maiores influenciadores do clima". Por isso, conclui-se, "tudo não passa da boa da geopolítica".

Questionados pelo Polígrafo, o investigador do Centro de Estudos do Ambiente e do Mar da Universidade de Aveiro, José Castanheira, e o investigador do Instituto Dom Luiz da Universidade de Lisboa, Pedro Matos Soares, concordam que o CO2 é um poluente, na medida em que o dióxido de carbono "perturba o ecossistema".

Aprofundando, Soares explica que "um poluente é uma substância que prejudica ou os humanos ou o ambiente", ou seja, “nesta definição lata do que é um poluente, o CO2 encaixa-se perfeitamente, porque o efeito de estufa associado aos gases de estufa, que incluem o CO2, está a prejudicar grandemente o sistema climático, os ecossistemas e as pessoas".

Num segundo plano, os investigadores sublinham que, tal como se afirma na publicação, o dióxido de carbono é essencial para a existência de vida no planeta Terra, nomeadamente através da sua contribuição para criação de um efeito de estufa, mantendo a temperatura do planeta num nível adequado para o desenvolvimento da vida. No entanto, ressalvam que em doses de concentração excessiva, os seus efeitos são prejudiciais ao ambiente.

"Quando o CO2 está numa concentração na atmosfera que corresponde ao equilíbrio atual, temos uma temperatura média global sobre todo o planeta que andará entre os 15 e os 18 graus Celsius. Se nós aumentarmos a concentração de CO2, vamos aumentar o efeito que ele produz atualmente. Ou seja, o planeta irá aquecer mais e a temperatura junto à superfície irá aumentar", esclarece Castanheira.

Numa imagem, o professor de Física do Clima compara o aumento da concentração de CO2 acima do ponto de equilíbrio a dormir com demasiada roupa de cama durante o Verão. "É como estarmos confortáveis a dormir apenas com um lençol no Verão, porque o sistema está em equilíbrio. Se aumentarmos a quantidade de cobertores ou o trocarmos por um edredão mais grosso, ficamos com muito calor. Isto é, o edredão não está a fazer mais do que impedir que o seu calor saia", exemplifica.

"Um crescimento imenso com as atividades humanas"

Quanto à alegação de que as emissões de CO2 provenientes da atividade humana são insignificantes, os investigadores advertem que tal não corresponde à verdade. Nesse âmbito, Soares começa por explicar que "o CO2 é um gás com um tempo de residência na atmosfera muito longo, de décadas até centenas de anos", e que, por isso, "com as nossas atividades e com o acelerar da queima dos combustíveis fósseis todos os anos estamos a emitir mais CO2". Assim sendo, "como esse CO2 reside longo tempo na atmosfera, quer dizer que vamos ter cada vez maiores concentrações de CO2", o que vai "afetar nefastamente a vida, os recursos e a biodiversidade".

O professor da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa realça que "se nós olharmos para as concentrações de CO2 na atmosfera, vemos um crescimento imenso com as atividades humanas". sobretudo a partir da segunda metade do século XVIII.

“Se analisarmos [as concentrações de dióxido de carbono na atmosfera] desde a Revolução Industrial, vemos que existe um aumento paulatino. Quando chegamos a meio do século XX, temos um crescimento exponencial das emissões de CO2. É este aumento vertiginoso dos últimos 70 ou 80 anos que tem levado a este acelerar do aquecimento global", destaca.

No que diz respeito à alegação de que "as emissões humanas representam 0,35% do total de emissões de CO2", os cientistas dizem não perceber qual é a origem desta percentagem, nem a que tipo de emissões se refere o autor do texto. No entanto, asseguram que o impacto das atividades humanas nas emissões de CO2 está longe de ser insignificante, tal como provam os números avançados pelo Global Carbon Project (Projeto Global de Carbono) e o consenso científico em torno da influência dos seres humanos no aquecimento global.

"Há claramente uma evidência científica inexorável de que o aumento das concentrações de CO2 é devido às atividades humanas e que este aumento dos gases de estufa, nomeadamente do CO2, está a provocar o aquecimento global", reitera Soares.

Por fim, é também "completamente falso" que o dióxido de carbono não tenha "propriedades físicas ou químicas que lhe permitam ter qualquer influência no clima". O investigador do Instituto Dom Luiz contrapõe que "desde o século XIX" que "se sabe muito bem que o CO2 é um gás com efeito de estufa porque absorve radiação de grande comprimento de onda".

E como é que ocorre esse processo? "Nós recebemos a radiação solar que é de pequeno comprimento de onda. Essa radiação aquece a superfície terrestre. Quando a superfície terrestre emite radiação é sob estes grandes comprimentos de onda. Por sua vez, os gases de estufa, em que se inclui o CO2, absorvem esta radiação e isto provoca o aquecimento do sistema climático. O CO2 absorve a radiação de grande comprimento de onda e faz com que seja retida esta energia na Terra e que não seja emitida para o espaço. Concluindo, o CO2 tem propriedades de absorção da energia de grande comprimento de onda que está associada ao efeito de estufa", responde o investigador.

Em suma, apesar de o CO2 ser um gás essencial à existência de vida na Terra, quando se encontra em concentrações excessivas provoca "efeitos nefastos" para o ecossistema, contribuindo para o aquecimento global. Além disso, a evidência científica mostra ser também falso que as atividades humanas tenham um contributo "insignificante" nas emissões de dióxido de carbono e, por consequência, nas alterações climáticas.

___________________________________

EMIFUND

Este artigo foi desenvolvido no âmbito do European Media and Information Fund, uma iniciativa da Fundação Calouste Gulbenkian e do European University Institute.

The sole responsibility for any content supported by the European Media and Information Fund lies with the author(s) and it may not necessarily reflect the positions of the EMIF and the Fund Partners, the Calouste Gulbenkian Foundation and the European University Institute.

___________________________________

Avaliação do Polígrafo:

Assine a Pinóquio

Fique a par dos nossos fact checks mais lidos com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Receba os nossos alertas

Subscreva as notificações do Polígrafo e receba os nossos fact checks no momento!

Em nome da verdade

Siga o Polígrafo nas redes sociais. Pesquise #jornalpoligrafo para encontrar as nossas publicações.
Falso
International Fact-Checking Network