"Nos países onde mais se vacina, o número de mortes de Covid-19 está em alta", destaca-se no título da publicação, datada de 25 de março. Tem origem num blog e exibe uma gravação em vídeo de um programa transmitido numa rádio francesa.

"Em Israel, na Grã-Bretanha e nos Emirados Árabes Unidos, países onde se vacinou massivamente, o número de mortes de Covid-19 bate todos os recordes", lê-se no respetivo texto, em alegação que parece não ter correspondência exata com o que é dito no vídeo.

Começando por Israel, país em que já foram administradas 115,19 doses de vacina contra a Covid-19 por cada 100 habitantes (lidera neste indicador ao nível mundial, seguindo-se os Emirados Árabes Unidos com 82,24 doses, o Chile com 51,82 doses e o Reino Unido com 50,26 doses, de acordo com os dados compilados no portal "Our World in Data"), pelo menos desde o dia 21 de fevereiro que tem vindo a registar cada vez menos mortes diárias por Covid-19.

Após um pico de 101 mortes no dia 20 de janeiro, a curva da mortalidade em Israel iniciou uma trajetória descendente. As 51 mortes de 21 de fevereiro constitutem o último ponto ascendente desde então e, aliás, resultaram do facto de no dia anterior não terem sido divulgados esses dados (acumulação de dois dias nos registos).

Entretanto foram contabilizadas 20 mortes no dia 28 de março e 12 mortes no dia 29 de março, ponto mínimo de mortalidade por Covid-19 em Israel desde 14 de dezembro de 2020.

A situação nos Emirados Árabes Unidos é mais díficil de analisar, na medida em que a escala de mortalidade é muito menor. O pico de mortes diárias por Covid-19 foi atingido no dia 19 de fevereiro, com 20 óbitos. Desde então tem vindo a diminuir e nos últimos dois dias registou quatro e cinco mortes.

Parecem ser números muito baixos, mas o facto é que, ainda assim, estão acima dos que foram registados nos Emirados Árabes Unidos ao longo de quase todo o ano de 2020. De qualquer modo, a trajetória descendente ao longo do mês de março é evidente e não se verifica, de todo, "recordes" de mortalidade por Covid-19 associados ao processo de vacinação.

Quanto ao Reino Unido, após um pico de 1.832 mortes no dia 20 de janeiro, a diminuição da mortalidade foi bastante célere, até ao ponto mínimo de 22 mortes registadas no dia 29 de março.

Desde o dia 19 de outubro de 2020 que não se registavam menos de 100 mortes diárias por Covid-19 no Reino Unido. Nos picos da primeira e segunda vagas, a mortalidade por Covid-19 no Reino Unido superou a fasquia de 1.000 mortes durante vários dias consecutivos. A célere diminuição do número de mortes ao longo dos meses de fevereiro e março é inegável.

__________________________________________

Nota editorial: este conteúdo foi selecionado pelo Polígrafo no âmbito de uma parceria de fact-checking (verificação de factos) com o Facebook, destinada a avaliar a veracidade das informações que circulam nessa rede social.

Na escala de avaliação do Facebookeste conteúdo é:

Falso: as principais alegações dos conteúdos são factualmente imprecisas; geralmente, esta opção corresponde às classificações "Falso" ou "Maioritariamente Falso" nos sites de verificadores de factos.

Na escala de avaliação do Polígrafoeste conteúdo é:

Siga-nos na sua rede favorita.
Falso
International Fact-Checking Network