"Adorei saber que o novo medicamento da Pfizer para tratamento precoce da Covid-19 [Paxlovid] tem o mesmo mecanismo de ação da Ivermectina (inibidor da protease 3CL)", lê-se numa imagem que está a ser partilhada nas redes sociais no Brasil e também já chegou a Portugal, sobretrudo através de grupos de negacionistas da pandemia e anti-vacinas.

No post destaca-se também que a Ivermectina tem um custo de 5 reais (cerca de 80 cêntimos) e que o Paxlovid custa 530 dólares (cerca de 460 euros), o que dá a entender que a única diferença entre os dois medicamentos é o preço.

É verdade que o novo medicamento da Pfizer contra a Covid-19 tem mesmo mecanismo de ação da Ivermectina?

Não. Questionado pelo Polígrafo, o Infarmed (Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde) garante que esta alegação é totalmente falsa, na medida em que "o Paxlovid e a Ivermectina têm composições químicas e mecanismos de ação diferentes".

O Infarmed explica que o Paxlovid (produzido pela Pfizer) "é um antiviral que atua como um inibidor de protease, uma enzima presente no coronavírus necessária para que ele se reproduza". E sublinha que esse medicamento "foi testado e aprovado pela Agência Europeia de Medicamentos (EMA) para o tratamento de Covid-19".

Por outro lado, "a Ivermectina é um antifúngico que embora tenha múltiplos mecanismos de ação, nenhum deles se mostrou benéfico (em ensaios clínicos) contra a Covid-19".

Quanto à forma de atuação, o Infarmed refere que "a Ivermectina aparenta ter atividade antiviral através da inibição da importação do hospedeiro e da proteína viral para o núcleo, da inibição da ligação do RBD da proteína S ao recetor ACE2 humano e efeito anti-inflamatório (demonstrado in vitro)".

Recorde-se que, em março de 2021, a EMA publicou um esclarecimento no sentido de desaconselhar a utilização de Ivermectina para a prevenção ou tratamento da Covid-19.

Nesse comunicado, a EMA informou que "estudos de laboratório descobriram que a Ivermectina pode bloquear a replicação do SARS-CoV-2 (o vírus que causa a Covid-19), mas em concentrações de Ivermectina muito mais altas do que as alcançadas com as doses atualmente autorizadas".

Por isso, "os medicamentos com Ivermectina não estão autorizados para utilização contra a Covid-19 na União Europeia e a EMA não recebeu nenhum pedido para tal utilização".

___________________________________

Nota editorial: este conteúdo foi selecionado pelo Polígrafo no âmbito de uma parceria de fact-checking (verificação de factos) com o Facebook, destinada a avaliar a veracidade das informações que circulam nessa rede social.

Na escala de avaliação do Facebook, este conteúdo é:

Falso: as principais alegações dos conteúdos são factualmente imprecisas; geralmente, esta opção corresponde às classificações "Falso" ou "Maioritariamente Falso" nos sites de verificadores de factos.

Na escala de avaliação do Polígrafo, este conteúdo é:

Assine a Pinóquio

Fique a par dos nossos fact checks mais lidos com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Receba os nossos alertas

Subscreva as notificações do Polígrafo e receba os nossos fact checks no momento!

Em nome da verdade

Siga o Polígrafo nas redes sociais. Pesquise #jornalpoligrafo para encontrar as nossas publicações.
Pimenta na Língua
International Fact-Checking Network