“33 anos antes dos ataques de 11 de setembro, o estado de Israel imprimiu esta moeda. Nesse mesmo ano foi criada a linha de emergência 911, ou seja, 11 de setembro, e teve início a construção das Torres Gémeas em Nova York”, destaca-se num tweet que cita outra publicação com a imagem da alegada moeda.

Na imagem partilhada, vê-se uma suposta moeda que retrata um avião, um tanque de guerra e duas figuras paralelas que os internautas garantem tratar-se das torres que foram destruídas a 11 de setembro de 2001. Será?

A resposta é não. Tal como se pode ver no site do Centro de Educação em Holocausto e Humanidade e do Fundo da Cincinnati Judaica, trata-se uma "medalha comemorativa dos Seis Dias da Guerra Israelita Francesa" - um breve conflito no qual Israel derrotou o Egito, a Jordânia e a Síria no espaço de seis dias em junho de 1967 - e não da moeda shekel israelita.

Quanto aos desenhos gravados na medalha, a página explica que os dois objetos paralelos visíveis na medalha são os pergaminhos da Torá, texto sagrado do Judaísmo, e não as Torres Gémeas como está implícito em alguns posts. A parte de trás da medalha inclui escrita hebraica que diz: "Sob a Estrela de David, Campanha dos 6 Dias".

Além disso, a medalha foi feita em 1967. Ora, nessa altura, as Torres Gémeas ainda não passavam de um projeto, uma vez que a sua construção só começou no ano seguinte. Assim, a implicação de que a medalha mostra um avião a aproximar-se dos edifícios do World Trade Center de Nova Iorque, há mais de três décadas, não tem fundamento.

Por último, a alegação de que a imagem representa uma shekel israelita também não é viável. Israel só aderiu a esta moeda em 1980, quando substituiu a libra esterlina que era utilizada desde 1952.

Assine a Pinóquio

Fique a par dos nossos fact checks mais lidos com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Receba os nossos alertas

Subscreva as notificações do Polígrafo e receba os nossos fact checks no momento!

Em nome da verdade

Siga o Polígrafo nas redes sociais. Pesquise #jornalpoligrafo para encontrar as nossas publicações.
Falso
International Fact-Checking Network