"Será que também vai aparecer morto? Urgente: O ministro da Saúde da África do Sul diz que o Governo do Reino Unido, Europa e media estão mentindo sobre a super variante NU/Ómicron. Não caiam na narrativa dos media! Não há variante! Se trata de uma reação do corpo humano às proteínas spike contidas nas vacinas, não há vírus", lê-se na mensagem que está a circular no Facebook.

post em análise, da autoria de um utilizador português, já foi partilhado mais de uma centena de vezes desde 28 de novembro.

A informação é verdadeira?

O Polígrafo não encontrou qualquer registo das declarações que são atribuídas a Joe Phaahla, o ministro da Saúde da África do Sul. Outros fact-checkers, como o Aos Fatos e a Agência Lupa também não conseguiram localizar tais afirmações e classificaram a publicação viral como falsa.

A imagem que está a ser partilhada é uma captura de ecrã de uma conferência de imprensa que o Governo sul-africano organizou no dia 27 de novembro, a propósito da descoberta da Ómicron, a nova variante do novo coronavírus identificada em vários países da África Austral.

Na verdade, Joe Phaahla afirmou que o anúncio da descoberta da variante implicava a necessidade de monitorização do vírus, ressalvando que não existiam evidências de que a variante pudesse provocar quadros mais graves da doença. O ministro destacou, no entanto, que "a ação de alguns países, em termos da imposição de proibição de viagens e medidas idênticas estão completamente contra as normas e procedimentos definidos pela OMS".

Vários países da União Europeia, bem como os EUA e o Reino Unido, suspenderam os voos de e para a África do Sul e países vizinhos. Perante estas restrições à circulação, no passado dia 30 de novembro, Cyril Ramaphosa, o chefe de Estado sul-africano, lamentou a atitude destes países, que garante não ser "baseada em factos científicos". “Estou preocupado”, mas “gostaríamos de ter um diálogo para dizer que preferimos que não reajam como os nossos ex-colonizadores que se apressaram a isolar África”, afirmou ainda Ramaphosa.

Também António Guterres, o secretário geral da ONU classificou o encerramento de fronteiras a países africanos como um "apartheid de viagens". Guterres considerou inaceitável punir desta forma as nações africanas que partilharam a descoberta da variante Ómicron. A Organização Mundial de Saúde (OMS) afirmou, no dia 1 de dezembro, que a proibição de viagens internacionais não impede a propagação da variante Ómicron.

  • Tabela mostra cronologia para o aparecimento de novas variantes da Covid-19?

    Está a ser divulgada nas redes sociais uma tabela com os nomes e símbolos das variantes do SARS-CoV-2 e um calendário que estabelece as respetivas datas de "lançamento". O conteúdo tornou-se viral após serem identificados os primeiros casos da nova variante Ómicron, detetada inicialmente na África do Sul. A lista atribuída à OMS e a outras organizações internacionais é verdadeira?

Na publicação afirma-se ainda que a variante não passa de uma "reação do corpo humano às proteínas spike contidas nas vacinas". Esta informação é igualmente falsa.

Tal como esclarecido pelo Polígrafo em várias verificações de factos sobre o tema, a técnica utilizada nas vacinas de mRNA consiste em inserir uma parte dos genes de um determinado patógeno em plasmídeos, moléculas de ácido ribonucleico presentes nas bactérias. Estes plasmídeos são injetados no corpo humano e entram nas células, onde reproduzem partes do agente causador da doença - neste caso, o novo coronavírus - para obter uma resposta imunológica do organismo.

__________________________________________

Nota editorial: este conteúdo foi selecionado pelo Polígrafo no âmbito de uma parceria de fact-checking (verificação de factos) com o Facebook, destinada a avaliar a veracidade das informações que circulam nessa rede social.

Na escala de avaliação do Facebook, este conteúdo é:

Falso: as principais alegações dos conteúdos são factualmente imprecisas; geralmente, esta opção corresponde às classificações "Falso" ou "Maioritariamente Falso" nos sites de verificadores de factos.

Na escala de avaliação do Polígrafo, este conteúdo é:

Assina a Pinóquio

Fica a par de todos os fact-checks com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Recebe os nossos alertas

Subscreve as notificações do Polígrafo e recebe todos os nossos fact-checks no momento!

Em nome da verdade

Segue o Polígrafo nas redes sociais. Pesquisa #jornalpoligrafo para encontrares as nossas publicações.
Falso
International Fact-Checking Network