Na reunião plenária de ontem, 14 de abril, em que foi aprovada a renovação do "estado de emergência" até ao dia 30 de abril, o deputado Moisés Ferreira, do Bloco de Esquerda (BE), considerou que a testagem à Covid-19 em Portugal é insuficiente. "Portugal posiciona-se na União Europeia como um dos países que menos testa a população, mas se calhar, para compensar, é dos países em que o Governo mais anuncia que vai testar de forma massificada a população", afirmou.

Essa crítica seria reiterada posteriormente pelo líder do grupo parlamentar do BE, Pedro Filipe Soares, ao declarar que "o país testa menos [à Covid-19] do que deveria testar".

A resposta do Governo não tardou. Numa contestação direta às críticas do BE, a ministra da Saúde disse que "não é verdade que Portugal esteja nos últimos lugares de testes por 100 mil habitantes. Não é verdade. O gráfico mostra-o bem".

Marta Temido segurava uma folha com o gráfico em causa, mostrando-o na direção da bancada dos bloquistas e questionando: "Como é que nós podemos pedir aos outros que confiem em nós se dizemos mentiras?"

"Portugal decresceu o número de testes de diagnóstico para SARS-CoV-2 porque tendencialmente o número de testes acompanha a infeção. Temos procurado inverter essa tendência com uma estratégia de rastreio. Para quem está distraído, realizámos testes a todos os professores que têm regressado ao ensino. Peço a vossa atenção porque penso que têm andado distraídos", salientou a ministra da Saúde.

"É a ciência que continua a governar a forma como lutamos contra esta pandemia e acreditamos que falar verdade faz parte da ciência mais elementar", concluiu.

No Twitter, Moisés Ferreira respondeu quase de imediato, escrevendo a seguinte mensagem: "'Não é verdade', diz a ministra da Saúde. Mas, infelizmente, é. Já os anúncios do Governo sobre testagem em massa…"

O deputado bloquista complementou o tweet remetendo para uma notícia do jornal "Público", de 8 de abril, na qual se destacava em título que "Portugal é dos países da UE que menos testes fazem, detectando apenas um infectado em cada 67 testes".

Mas afinal quem é que tem razão?

Consultando os dados recolhidos pelo Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC, na sigla em inglês), verificava-se que Portugal estava ontem (dia 14 de abril) na 21ª posição da tabela dos 30 países do Espaço Económico Europeu (EEE) ao nível da testagem à Covid-19 por cada 100 mil habitantes (índice a 14 dias).

Na página da Direção-Geral da Saúde (DGS) apresenta-se um gráfico com a evolução diária do total de testes à Covid-19 em Portugal. Depois de um pico de testagens no mês de janeiro, esse indicador decresceu para um nível bastante mais baixo em fevereiro, março e início de abril.

Portugal apresenta ainda uma taxa de positividade média de 1,7%, ou seja, por cada 100 testes realizados são detetados menos de dois casos de infeção por Covid-19. Um valor que coloca o país em 23º lugar na tabela dos 30 países do Espaço Económico Europeu, apenas ultrapassado pela Áustria (1%), Chipre (0,8%), Islândia (0,3%) e Dinamarca (0,3%).

Tendo em conta os dados disponíveis, concluímos que Portugal é presentemente um dos países da UE que faz menos testes à Covid-19, em proporção da respetiva população, ao contrário do que garantiu ontem a ministra da Saúde na Assembleia da República.

__________________________________

Nota editorial (artigo atualizado no dia 16 de abril, às 10h45m): Na sequência da publicação deste artigo recebemos do Ministério da Saúde a indicação de que "o gráfico no qual a ministra da Saúde se baseou para as declarações proferidas no debate do 'estado de emergência' de 14 de abril, no Parlamento, tem como fonte o Worldometers e mostra um total acumulado (desde o início da pandemia) de testes por milhão de habitantes, referente a 14 de abril, no qual Portugal se posiciona como o 11.º país da União Europeia".

Ao intervir na Assembleia da República, a ministra da Saúde afirmou que "não é verdade que Portugal esteja nos últimos lugares de testes por 100 mil habitantes. Posto isto, o Polígrafo consultou os dados recolhidos pelo ECDC que estão dispostos numa tabela com um índice a 14 dias por cada 100 mil habitantes. No Worldometers apresenta-se o total acumulado por cada milhão de habitantes.

Os dados do ECDC foram consultados no dia 14 de abril, após o debate parlamentar, e na manhã do dia 15 de abril. Em ambos os momentos, Portugal encontrava-se na 21.ª posição entre os 30 países do EEE ao nível da testagem à Covid-19 por cada 100 mil habitantes. Tendo em conta os dados disponíveis, o Polígrafo avaliou a alegação de Marta Temido como falsa.

Entretanto, os dados do ECDC foram atualizados na quinta-feira, dia 15 de abril (várias horas após a publicação deste artigo e no dia seguinte à declaração de Marta Temido), estando Portugal agora na 11.ª posição da tabela dos 30 países do EEE ao nível da testagem à Covid-19 por cada 100 mil habitantes.

__________________________________

Avaliação do Polígrafo:

Siga-nos na sua rede favorita.
Verdadeiro
International Fact-Checking Network