A imagem em causa mostra uma mulher, vestida com uma farda de trabalho cor-de-laranja e a puxar um caixote do lixo. Eis a legenda mais recorrente das publicações que detectámos nas redes sociais: “Ministra da Saúde da Holanda participa na limpeza do lixo duas horas antes de entrar no seu gabinete”.

Vários utilizadores do Facebook denunciaram este conteúdo como sendo uma falsidade. Confirma-se?

Sim. Desde logo porque os Países Baixos não têm atualmente uma ministra da Saúde, mas sim um ministro da Saúde: Hugo Mattheüs de Jonge exerce em simultâneo os cargos de primeiro-ministro adjunto e ministro da Saúde, Bem-Estar e Desporto, desde 26 de outubro de 2017, após ter sido deputado do executivo municipal de Roterdão.

Não obstante, a fotografia é autêntica e não foi manipulada. A falsidade está nas legendas ou descrições. A mulher retratada é Franziska Giffey, atual ministra alemã dos Assuntos Familiares, Cidadãos Seniores, Mulheres e Jovens.

A fotografia foi captada pelo fotojornalista Fabrizio Bensch, da Reuters, durante uma iniciativa que consistiu na recolha de lixo das ruas de Berlim, Alemanha, e que se realizou no dia 7 de março de 2019, véspera do Dia Internacional da Mulher. Há diversas outras fotografias dessa mesma iniciativa no arquivo da Getty.

Em declarações ao jornal "Der Tagesspiegel", a ministra alemã explicou que a iniciativa tinha como objetivo “limpar os estereótipos” patentes no mundo do trabalho e sublinhar que “as mulheres podem fazer tudo: CEO, engenheiras civis, especialistas em TIC - e até numa lixeira”.

Ou seja, não se trata apenas de um erro na identificação da mulher retratada na imagem que é uma ministra alemã e não uma ministra holandesa. Além disso veicula-se a informação falsa de que seria uma rotina diária da ministra, quando na realidade foi apenas uma iniciativa pontual, no âmbito da celebração do Dia Internacional da Mulher, em março de 2019.

Nessa ocasião, a ministra Franziska Giffey também afirmou que “a igualdade de género depende de muitos fatores, incluindo a escolha de carreira”, defendendo a ideia de “um mundo de trabalho em que as mulheres em empregos tipicamente masculinos possam trabalhar tão bem quanto homens em empregos tipicamente femininos”.

***

Nota editorial: este conteúdo  foi selecionado pelo Polígrafo no âmbito de uma parceria de fact-checking com o Facebook, destinada a avaliar a veracidade das informações que circulam naquela rede social.

Na escala de avaliação do Facebook este conteúdo é:

Falso: as principais alegações do conteúdo são factualmente imprecisas. Geralmente, esta opção corresponde às classificações "falso" ou "maioritariamente falso" nos sites de verificadores de factos.

Na escala de avaliação do Polígrafo este conteúdo é:

Assine a Pinóquio

Fique a par dos nossos fact checks mais lidos com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Receba os nossos alertas

Subscreva as notificações do Polígrafo e receba os nossos fact checks no momento!

Em nome da verdade

Siga o Polígrafo nas redes sociais. Pesquise #jornalpoligrafo para encontrar as nossas publicações.
Falso
International Fact-Checking Network