O recibo data de 22 de julho de 2021 e indica a Golfejardim Lda. como empresa fornecedora das 3.900 bolas de golfe, mais especificamente do modelo "Bola Driving Range 2P Branca". A aquisição pelo Comando Naval da Marinha Portuguesa implicou uma despesa de 1.692 euros.

O Polígrafo tentou contactar a Marinha Portuguesa, o Comando Naval e o Chefe do Estado-Maior da Armada, mas não foi possível em tempo útil.

Por outro lado, o contrato de aquisição das bolas de golfe não está registado no portal Base.

A empresa fornecedora, porém, confirmou ao Polígrafo a venda das 3.900 bolas de golfe, por 1.692 euros, em julho de 2021. "Sim, realizámos essa venda à Marinha Portuguesa", garantiu uma representante da Golfejardim Lda., em resposta por telefone ao Polígrafo.

Recorde-se que em março deste ano foi noticiado que a Marinha Portuguesa estava a construir um campo de golfe na base naval do Alfeite e "a decisão está a levantar uma onda de indignação nos meios militares, principalmente no próprio ramo que está a atravessar grandes dificuldades orçamentais, com várias embarcações inoperacionais por falta de manutenção".

"O facto de o atual comandante naval, vice-almirante Silvestre Correia, ser um assumido e conhecido jogador de golfe, participando em campeonatos nacionais das Forças Armadas, faz aumentar a perplexidade", salientou o jornal "Diário de Notícias" na altura.

O gabinete do Chefe de Estado-Maior da Armada, almirante Mendes Calado, confirmou a obra e justificou-a "atendendo à necessidade, já há muito identificada, de edificar uma capacidade para campo de treino destinado ao ensino de golfe".

___________________________________

Atualização: na sequência da publicação deste artigo recebemos da Marinha Portuguesa informação adicional sobre a matéria em causa. "No âmbito da necessidade de ser construído, por razões de segurança, um corta fogo num espaço entre os depósitos de combustível e o Centro de Comunicações de Dados e Cifra da Marinha, duas infraestruturas críticas, surgiu a oportunidade de, através do apoio de entidades civis, edificar um novo espaço multifuncional para a realização de atividades de desporto, espaço este para ser utilizado não só  por militares, militarizados e civis da Marinha mas também para ser utilizado pela sociedade, em especial escolas com quem, através dos municípios, se possa colaborar à semelhança do que já acontece com a utilização de outros espaços existentes na Base Naval, nomeadamente piscinas, campos de futebol, entre outros", salienta a Marinha Portuguesa, através do gabinete de comunicação.

"O apoio externo, nomeadamente financeiro, recebido pela Marinha - a exemplo do que acontece com outros projetos de âmbito desportivo e cultural, contempla a aquisição de equipamentos para este espaço, designadamente, entre outros, os mencionados no artigo - tem sido executado com toda a transparência e seguindo os procedimentos administrativos previstos", assegura.

___________________________________

Nota editorial: este conteúdo foi selecionado pelo Polígrafo no âmbito de uma parceria de fact-checking (verificação de factos) com o Facebook, destinada a avaliar a veracidade das informações que circulam nessa rede social.

Na escala de avaliação do Facebook, este conteúdo é:

Verdadeiro: as principais alegações do conteúdo são factualmente precisas; geralmente, esta opção corresponde às classificações "Verdadeiro" ou "Maioritariamente Verdadeiro" nos sites de verificadores de factos.

Na escala de avaliação do Polígrafo, este conteúdo é:

Assina a Pinóquio

Fica a par de todos os fact-checks com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Recebe os nossos alertas

Subscreve as notificações do Polígrafo e recebe todos os nossos fact-checks no momento!

Em nome da verdade

Segue o Polígrafo nas redes sociais. Pesquisa #jornalpoligrafo para encontrares as nossas publicações.
Verdadeiro
International Fact-Checking Network