O primeiro jornal português
de Fact-Checking

Margarida Balseiro Lopes: “Nos últimos oito anos, a média de novas camas [em residências universitárias] foi de 130 por ano”

Política
O que está em causa?
A ministra da Juventude e da Modernização anunciou ontem que os jovens estudantes vão poder contar com mais camas nas residências do Ensino Superior Público, mas não sem criticar o antigo Governo, que conseguiu entregar apenas uma média de "130" por ano.
© Hugo Delgado/Lusa

Segundo o anúncio da ministra da Juventude, esta quinta-feira, o Governo tem preparadas sete medidas para os jovens, entre as quais o reforço de 709 camas através de parcerias com Pousadas da Juventude e Fundação INATEL. A região Metropolitana de Lisboa terá a maior oferta, com perto 208 novas camas. O Porto vem depois, com 130.

Este último número é também aquele que caracteriza a herança do Governo socialista, referiu Margarida Balseiro Lopes na conferência de imprensa pós-conselho de ministros, que prometeu que este “é um trabalho que terá continuidade”: uma tentativa de recuperar o que foi feito “nos últimos oito anos”, quando “a média de novas camas angariadas ao abrigo do plano nacional para o alojamento estudantil foi de 130 camas”. É verdade?

Sim, embora o número não seja totalmente preciso (por divergência nos valores de cálculo). De acordo com o site do PNAES, em 2015, primeiro ano completo de António Costa no Governo, havia em Portugal um total de 14.547 camas disponíveis, menos do que em 2009 (15.013). Esse valor cresceu e, em abril de 2024, estavam já disponíveis 15.929 camas em alojamento para os estudantes do ensino superior.

A 15 de setembro de 2022, o então Primeiro-Ministro assumiu a meta de Portugal ter 26 mil camas para estudantes até 2026, mas nunca a cumpriu. Aliás, feitas as contas, a sua herança é mesmo de apenas 173 camas por ano-

Segundo o atual Governo, o aumento de 709 camas deverá ter um impacto financeiro já este ano de 900 mil euros e, em 2025, de 2,6 milhões de euros. Deverá ainda entrar em vigor já em setembro deste ano, no início do próximo ano letivo.

____________________________

Avaliação do Polígrafo:

Partilhe este artigo
Facebook
Twitter
WhatsApp
LinkedIn

Relacionados

Em destaque