Uma fotografia captada na na Escola Náutica Infante D. Henrique, em Paço de Arcos, circula nas redes sociais desde as eleições autárquicas de 26 de setembro. Porquê? Na folha indicativa da secção de voto número 39 constam dois nomes estrangeiros, aparentemente de origem árabe.

Em forma de crítica implícita, o autor da publicação destaca uma suposta citação do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, o qual terá afirmado que "Portugal já não é de portugueses brancos, Silvas e Antónios".

A citação é verdadeira ou apócrifa?

De Marcelo Rebelo de Sousa para Pedro Pablo Pichardo, campeão olímpico, e de Evalina Dias, presidente da Djass - Associação de Afrodescentes, para Marcelo Rebelo de Sousa. Esta sim é a ordem cronológica dos acontecimentos que culminaram na frase supracitada.

Em declarações no Palácio de Belém, a 5 de agosto, ainda no rescaldo da medalha de ouro no triplo salto ganha por Pedro Pablo Pichardo, Marcelo Rebelo de Sousa apelou à necessidade de colocar de lado a xenofobia, o racismo e outro "fantasmas de discriminação étnico racial". O Presidente da República fez questão de mencionar, na altura, que "dos quatro medalhados, três são de origem direta ou indireta africana: um afro-cubano português, uma angolana portuguesa, outro são-tomense português", sendo esse um sinal de que "Portugal é grande quando consegue a integração efetiva" dos que para cá imigram.

Depois das declarações, foi a vez de Evalina Dias parabenizar Marcelo pelas palavras "muito necessárias". Na emissão da rádio TSF desse mesmo dia, a presidente da Djass, uma organização sem fins lucrativos com a missão de "defender e promover os direitos das/os negras/os e afrodescendentes em Portugal e de combater o racismo em todas as suas formas e dimensões", afirmou que este era o primeiro passo para abrir o "debate na sociedade portuguesa sobre quem é que é português, quem é considerado português de facto, que não está a ser feito".

"Na equipa olímpica que foi para Tóquio, dos 92, contei cerca de 14 que não têm origem étnica portuguesa branca, mas são portugueses. Temos pessoas de origem étnica asiática, africana e de outros países da Europa. Quem é que é português? Somos todos portugueses. As declarações do Presidente da República vieram mesmo no momento certo, é um debate que tem de ser feito", acrescentou a responsável, citada pela TSF.

Mais à frente nas declarações, surge a frase que a publicação identificada pelo Polígrafo atribui a Marcelo Rebelo de Sousa. Não sendo, é certo, do Presidente da República, a declaração foi proferida na sequência das suas declarações sobre a participação portuguesa nos Jogos Olímpicos de Tóquio.

"Notei pessoas de origem asiática, com nomes chineses, e achei interessante. A sociedade portuguesa já não é só portugueses brancos, os Silvas, Antónios e Sousas", afirmou, então, Evalina Dias.

Já no que respeita aos nomes fotografados na Escola Náutica Infante D. Henrique, o Polígrafo verificou que são autênticos e que, ao contrário do que o post insinua, correspondem a cidadãos nacionais. Ainda assim, segundo informa o Portal do Eleitor, o leque de recenseados vai desde os cidadãos portugueses a morar em Portugal até aos cidadãos de outro país estrangeiro com residência legal em Portugal há mais de três anos.

___________________________________

Nota editorial: este conteúdo foi selecionado pelo Polígrafo no âmbito de uma parceria de fact-checking (verificação de factos) com o Facebook, destinada a avaliar a veracidade das informações que circulam nessa rede social.

Na escala de avaliação do Facebook, este conteúdo é:

Falso: as principais alegações dos conteúdos são factualmente imprecisas; geralmente, esta opção corresponde às classificações "Falso" ou "Maioritariamente Falso" nos sites de verificadores de factos.

Na escala de avaliação do Polígrafo, este conteúdo é:

Siga-nos na sua rede favorita.
Falso
International Fact-Checking Network