"Não quero gritar. Como é que é? Fazem duas filas. Calma, oiçam. A senhora para de gravar, porque eu não sou um macaco. Pronto, acabou! Mais ninguém é vacinado, acabou". É este o discurso ouvido no vídeo, proferido por uma funcionária de um Centro de Vacinação Covid (CVC). A trabalhadora, visivelmente agitada, acaba por negar a vacinação aos utentes que se encontravam à espera.

Mas será o vídeo autêntico?

Sim. O Polígrafo contactou fonte oficial da task force e da Câmara Municipal de Almada (CMA) que informam que o vídeo foi gravado "por uma utente que aguardava vacinação no dia 6 de julho no Centro de Vacinação Covid (CVC) da Trafaria". A mulher que surge no vídeo e que repreende os utentes não é profissional de saúde mas "uma trabalhadora administrativa da receção do Centro de Vacinação".

A CMA sublinha que "foram tomadas medidas adequadas para que a situação não se repita, conscientes e lamentando o sucedido. Os centros de vacinação funcionam em parceria entre o ACES, o Município e os Serviços de Proteção Civil que, conjuntamente, avaliaram e tomaram as medidas necessárias".

O problema deveu-se a "um aumento significativo dos agendamentos para os centros de vacinação por parte dos serviços de saúde, assim como uma forte procura dos CVC por utentes sem agendamento, dada a antecipação das vacinas, o que provocou uma procura superior à capacidade instalada em muitos momentos".

"Tal aglomerado de pessoas gerou filas e horas de espera. Este facto levou a dificuldades na gestão das pessoas em espera e que gerou este lamentável momento", admite a autarquia.

"O serviço foi retomado, com reforço das equipas de organização das filas e, pouco depois das 21:00, todas as pessoas tinham sido atendidas e inoculadas. Neste dia, foram inoculadas 709 pessoas, cerca de 200 pessoas a mais do que a média da semana anterior", conclui.

Em suma, confirma-se que o vídeo em causa é autêntico. Ainda assim, foi garantido ao Polígrafo que todas as pessoas foram atendidas e vacinadas durante esse mesmo dia.

__________________________________________

Nota editorial: este conteúdo foi selecionado pelo Polígrafo no âmbito de uma parceria de fact-checking (verificação de factos) com o Facebook, destinada a avaliar a veracidade das informações que circulam nessa rede social.

Na escala de avaliação do Facebook, este conteúdo é:

Verdadeiro: as principais alegações do conteúdo são factualmente precisas; geralmente, esta opção corresponde às classificações "Verdadeiro" ou "Maioritariamente Verdadeiro" nos sites de verificadores de factos.

Na escala de avaliação do Polígrafo, este conteúdo é:

Siga-nos na sua rede favorita.
Verdadeiro
International Fact-Checking Network