"O número de utentes sem médico de família em Portugal ultrapassou a barreira de um milhão no passado mês de junho. (…) Costa promete médico de família para todos os portugueses em 2017, mas em 2021 há um milhão de portugueses sem médico de família", lê-se no post de 7 de julho, denunciado como sendo falso ou enganador.

De facto, no programa que o Partido Socialista (PS) apresentou nas eleições legislativas de 2015 (pode consultar aqui) encontra-se a garantia de "prosseguir o objetivo de garantir que todos os portugueses têm um médico de família atribuído".

Essa mesma garantia foi depois inscrita no programa do XXI Governo Constitucional, exatamente nos mesmos termos. No entanto, deixou de constar no programa do XXII Governo Constitucional, formado após as eleições legislativas de 2019.

Não é uma promessa de que "todos os portugueses terão médico de família", mas também não deixa de ser uma garantia de "prosseguir" no sentido desse objetivo.

No entanto, em setembro de 2016, já nas funções de primeiro-ministro, António Costa prometeu mesmo e explicitamente que todos os portugueses teriam um médico de família até ao final de 2017.

Esse foi um objetivo assumido por António Costa no encerramento da rentrée política do PS, em Coimbra, num discurso em que se debruçou sobre questões sociais como a qualificação, o acesso à educação e à saúde, a inclusão e o combate às discriminações, sobretudo no que respeita a pessoas com deficiência. Com o fundador do Serviço Nacional de Saúde (SNS) e também presidente honorário do PS sentado na plateia, António Arnaut (entretanto falecido), o líder socialista sustentou a tese de que o seu Governo iniciou funções com cerca de 1,2 milhões de portugueses sem médico de família, número que se reduzirá no início de 2017 para cerca de 500 mil.

"Não estamos conformados e vamos continuar a trabalhar para daqui a um ano podermos dizer que deixou de haver portugueses sem acesso a médico de família", declarou Costa, antes de prometer igualmente novas valências ao nível de Unidades de Saúde Familiares, sobretudo no que respeita à saúde oral.

O objetivo voltou a não ser concretizado e posteriormente, no dia 20 de maio de 2019, em declarações à Rádio Renascença, a secretária de Estado da Saúde, Raquel Duarte, prometeu em nome do Governo que todos os portugueses terão médico de família em 2020. Raquel Duarte garantiu que "vai acontecer seguramente".

Mais recentemente, a 16 de julho de 2019, a ministra da Saúde admitiu que a meta de atribuição de médicos de família para todos os portugueses ficará aquém do objetivo traçado para esta legislatura. Marta Temido revelou que há 700 mil portugueses sem médico de família.

"Estamos ainda com 700 mil portugueses sem médico de família atribuído. É um pouco mais do que no final de 2018", disse a ministra, no decurso da inauguração de uma Unidade de Saúde Familiar no Bombarral, distrito de Leiria. "Neste momento tivemos apenas o movimento de aposentações e estamos ainda a completar o concurso de colocação de 305 especialistas em medicina geral e familiar, que por estes meses de julho e agosto estão a ser colocados, a assinar contratos e vão ter depois a lista de utentes atribuídas", justificou.

Ou seja, em 2015 garantiu prosseguir o objetivo de atribuir um médico de família a todos os portugueses, em 2016 prometeu concretizar esse objetivo até ao final de 2017 e em 2019 voltou a fazer a mesma promessa mas apontando para 2020. Com a agravante de o número de portugueses sem médico de família ter aumentado entre 2018 e 2019, como reconheceu a ministra da Saúde.

  • Número de médicos do SNS em janeiro de 2021 é superior ao de janeiro de 2020?

    "Em janeiro deste ano, o número de médicos [no Serviço Nacional de Saúde] é francamente superior ao número de médicos em janeiro do ano passado", sublinhou hoje o primeiro-ministro António Costa, ao intervir em debate na Assembleia da República, acusando Catarina Martins de ter dito o contrário "ao longo de vários meses". Verificação de factos.

Salto temporal para 16 de outubro de 2019, dia em que a Agência Lusa noticiou que a ministra da Saúde quer que todos os portugueses tenham um enfermeiro de família atribuído até ao final da próxima legislatura, à semelhança da meta traçada para os médicos de família. Na abertura do Congresso Internacional de Enfermagem de Saúde Familiar, em Lisboa, Marta Temido anunciou que o Governo pretende atribuir nos próximos quatro anos uma equipa de saúde familiar a todos os portugueses, que inclua um enfermeiro de saúde familiar.

"Consta do programa eleitoral o objetivo de atribuir médico de família a todos os portugueses. A essa meta juntámos, com a percepção cada vez maior que a prestação de cuidados deve ser feita em equipa, a meta de ter também um enfermeiro especialista em saúde familiar", afirmou Temido.

Ora, consultando os dados compilados no portal Transparência do SNS, o facto é que, em junho de 2021, o número de utentes sem médico de família atribuído voltou a superar a fasquia de um milhão. Ou mais precisamente, registaram-se 1.057.839 utentes sem médico de família.

A fasquia de um milhão já tinha sido superada entre fevereiro e agosto de 2016, o primeiro ano completo de Costa nas funções de primeiro-ministro. Nos anos seguintes manteve-se abaixo dessa fasquia, mas voltou a superá-la em setembro de 2020, em plena pandemia de Covid-19.

Ao registarem-se 1.057.839 utentes sem médico de família em junho de 2021, a situação voltou praticamente ao mesmo nível de 2015. Concluímos assim que Costa não apenas falhou no cumprimento da promessa, como não conseguiu sequer reduzir sustentadamente o número de utentes sem médico de família que, cerca de cinco anos e meio depois de ter iniciado funções como primeiro-ministro, está quase ao mesmo nível de 2015.

__________________________________________

Nota editorial: este conteúdo foi selecionado pelo Polígrafo no âmbito de uma parceria de fact-checking (verificação de factos) com o Facebook, destinada a avaliar a veracidade das informações que circulam nessa rede social.

Na escala de avaliação do Facebook, este conteúdo é:

Verdadeiro: as principais alegações do conteúdo são factualmente precisas; geralmente, esta opção corresponde às classificações "Verdadeiro" ou "Maioritariamente Verdadeiro" nos sites de verificadores de factos.

Na escala de avaliação do Polígrafo, este conteúdo é:

Siga-nos na sua rede favorita.
Verdadeiro
International Fact-Checking Network