"Comuna não deixa de votar. Se você ficar em casa, eles ganham sempre", comenta-se numa das partilhas do tweet em forma de imagem que está a circular em várias redes sociais. O tweet é da autoria de Bibo Nunes, deputado federal do Brasil, e foi publicado hoje, dia 21 de dezembro.

A segunda volta da eleição presidencial do Chile foi disputada no domingo, dia 19 de dezembro, resultando na vitória de Gabriel Boric, candidato de esquerda progressista, que obteve quase 56% dos votos expressos. Com apenas 35 anos de idade, Boric torna-se assim o mais jovem presidente da história do Chile. Derrotou José Antonio Kast, conservador católico e de extrema-direita, que não foi além de cerca de 44% dos votos.

No entanto, segundo Bibo Nunes, "a abstenção na eleição chilena foi de 53%. Evidente que a esquerda venceria, porque esquerdista não deixa de votar. Não caia nesta de voto nulo e não votar, porque só a esquerda, contra tudo e a favor de nada, ganha. Bolsonaro pelo progresso do Brasil!"

Importa realçar que está agendada para o próximo ano uma nova eleição presidencial no Brasil, com o atual presidente Jair Bolsonaro a enfrentar o ex-presidente Lula da Silva, entre outros pré-candidatos.

Mas no que respeita à eleição presidencial do Chile, é verdade que mais de metade dos eleitores não votaram?

Não. De acordo com os resultados oficiais do Serviço Eleitoral do Chile (pode consultar aqui), quando já foram apurados 99,99% dos votos, a taxa de participação é de 55,65%. Num total de 15.030.974 eleitores registados contabilizam-se 8.364.534 votos expressos, colocando a taxa de abstenção em 44,35%.

Ou seja, mais de metade dos eleitores chilenos votaram na segunda volta da eleição presidencial, ao contrário do que alega (erradamente) o referido deputado federal do Brasil.

Aliás, a taxa de participação em 2021 é bastante superior às registadas nas duas anteriores eleições presidenciais do Chile, a saber: 41,88% em 2013 e 49,02% em 2017. Nesses casos, de facto, mais de metade dos eleitores chilenos não votaram.

O tweet em causa está portanto a difundir uma clara falsidade.

___________________________________

Nota editorial: este conteúdo foi selecionado pelo Polígrafo no âmbito de uma parceria de fact-checking (verificação de factos) com o Facebook, destinada a avaliar a veracidade das informações que circulam nessa rede social.

Na escala de avaliação do Facebook, este conteúdo é:

Falso: as principais alegações dos conteúdos são factualmente imprecisas; geralmente, esta opção corresponde às classificações "Falso" ou "Maioritariamente Falso" nos sites de verificadores de factos.

Na escala de avaliação do Polígrafo, este conteúdo é:

Assine a Pinóquio

Fique a par dos nossos fact checks mais lidos com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Receba os nossos alertas

Subscreva as notificações do Polígrafo e receba os nossos fact checks no momento!

Em nome da verdade

Siga o Polígrafo nas redes sociais. Pesquise #jornalpoligrafo para encontrar as nossas publicações.
Falso
International Fact-Checking Network