"KFC deixou a Rússia. A Rússia transformou KFC em KGB e Siberian Fried Chicken", escreve o autor de um tweet, em inglês, que partilha ainda duas supostas imagens de restaurantes KFC com os nomes alterados.

De facto, a multinacional McDonald's decidiu vender todo o negócio e abandonar o país onde estava há 32 anos. Em março, anunciou que iria encerrar temporariamente as suas operações no país, mas acabou por vender a totalidade dos restaurantes. Outras empresas também suspenderam as operações na Rússia, entre as quais a Starbucks e a Yum Brands, a empresa-mãe da KFC e a Pizza Hut.

E, afinal, a KFC acabou por mudar de nome na Rússia e substituir o logotipo pela imagem de Estaline?

A imagem é manipulada e, de acordo com a equipa de fact-checking da Agence France-Presse (AFP), terá tido origem numa publicação em russo no Telegram, sendo depois partilhada em todas as redes sociais, em várias línguas.

Uma pesquisa reversa da imagem permite encontrar a fotografia original num anúncio de 17 de julho de 2018, sobre a abertura de um novo restaurante da KFC num centro comercial em Tula, uma cidade russa a sul de Moscovo.

Na fotografia é possível ver que os funcionários usam as mesmas roupas e estão nas posições em que surgem os empregados da fotografia manipulada que tem circulado pela internet. O menu nos ecrãs por cima do balcão também é igual em ambas as imagens.

Um representante do centro comercial garantiu à AFP que não foram efetuadas quaisquer alterações ao logotipo ou nome do restaurante da KFC. Além disso, a Yum Brands, a empresa-mãe da KFC e a Pizza Hut, não fez até ao momento qualquer anúncio sobre a venda dos seus restaurantes na Rússia ou sobre mudança do nome das marcas.

Assine a Pinóquio

Fique a par dos nossos fact checks mais lidos com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Receba os nossos alertas

Subscreva as notificações do Polígrafo e receba os nossos fact checks no momento!

Em nome da verdade

Siga o Polígrafo nas redes sociais. Pesquise #jornalpoligrafo para encontrar as nossas publicações.
International Fact-Checking Network