"Julho de 2022 foi o mais quente dos últimos 92 anos (desde 1931)", destaca-se no post de 5 de agosto no Facebook, enviado ao Polígrafo com solicitação de verificação de factos. "O valor médio da temperatura média do ar foi de 25,14 °C, 2,97 °C acima do valor normal. O valor médio da temperatura máxima do ar, 33,16 °C, foi o segundo mais alto desde 1931 (depois de julho de 2020), com uma anomalia de +4,44 °C. De referir que os quatro maiores valores da média da temperatura máxima em julho ocorreram depois de 2000: 2020, 2022 e 2010".

Esta informação é verdadeira, tendo sido recolhida a partir do "Boletim Climatológico de Julho de 2022" (pode consultar aqui), elaborado pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), que classifica o referido mês como "extremamente quente e muito seco".

"O mês de julho de 2022 em Portugal continental classificou-se como extremamente quente em relação à temperatura do ar e muito seco em relação à precipitação. Julho de 2022 foi o mais quente desde 1931. O valor médio da temperatura média do ar foi de 25,14 °C, 2,97 °C acima do valor normal", informa o IPMA.

"O valor médio da temperatura máxima do ar, 33,16 °C, foi o segundo mais alto desde 1931 (depois de julho de 2020), com uma anomalia de +4,44 °C. De referir que os quatro maiores valores da média da temperatura máxima do ar em julho ocorreram depois de 2000: 2020, 2022, 2016 e 2010. O valor médio da temperatura mínima do ar, 17,13 °C, foi 1,51 °C acima do normal e foi o quarto valor mais alto desde 1931 (depois de 1989, 1990 e 2006)", salienta-se no mesmo boletim.

"Durante o mês de julho os valores de temperatura do ar estiveram quase sempre muito acima do valor normal. Os períodos mais quentes ocorreram entre os dias 7 e 17, 20 e 26 e 29 e 31. Referência para o período de 7 a 17 de julho, excecionalmente quente", detalha o IPMA, apontando também para a "ocorrência de uma onda de calor que abrangeu quase todo o território continental, com exceção das regiões do litoral, com duração entre 6 e 16 dias".

"Em relação à precipitação, o mês de julho foi o quarto mais seco desde 2000. O total de precipitação neste mês, 3,0 mm, corresponde apenas a cerca de 22% do valor normal. No final do mês de julho verificou-se, em relação ao final de junho, uma diminuição significativa dos valores de percentagem de água no solo em todo o território, que foram mais significativas nas regiões Centro e Sul. Realçar o aumento da área com valores inferiores a 10% e iguais ao ponto de emurchecimento permanente", acrescenta-se.

"De acordo com o índice PDSI, a 31 de julho todo o país está em situação de seca meteorológica, verificando uma aumento da área na classe de seca extrema. No final de julho, 55% do território está na classe de seca severa e 45% na classe de seca extrema", destaca ainda o IPMA.

_____________________________________

Avaliação do Polígrafo:

Assine a Pinóquio

Fique a par dos nossos fact checks mais lidos com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Receba os nossos alertas

Subscreva as notificações do Polígrafo e receba os nossos fact checks no momento!

Em nome da verdade

Siga o Polígrafo nas redes sociais. Pesquise #jornalpoligrafo para encontrar as nossas publicações.
Verdadeiro
International Fact-Checking Network