Desde o incêndio trágico que consumiu, na passada segunda-feira, 15, parte da catedral de Notre-Dame, em Paris, muitos foram os boatos que circularam nas redes sociais sobre as origens do fogo. Entre eles há teorias xenófobas e islamofóbicas.

Uma publicação no Twitter que cita uma notícia sobre a acusação de uma francesa de 22 anos condenada a oito anos de prisão por ter organizado atentados terroristas perto da Catedral de Notre-Dame foi partilhada milhares de vezes. A acompanhar a partilha, a dúvida: terá sido “apenas uma coincidência” ou a jovem terá alguma coisa a ver com a tragédia que consumiu parte de um dos maiores ícones da arquitetura gótica?

Apesar de a notícia, publicada no “Journal.ie”, datar de 12 de abril de 2019 – três dias antes do incêndio – o caso remonta ao período entre março de 2015 de junho de 2016 e o julgamento diz respeito às acusações de aliciamento de jovens para se tornarem jihadistas. Ines Madani vai voltar a julgamento em setembro deste ano – juntamente com mais duas mulheres – para responder pela acusação de tentativa de incendio de um carro com seis garrafas de gás no seu interior, em 2016, perto da Notre-Dame. Não existe, por isso, uma relação com o incêndio à catedral parisiense.

Uma das peculiaridades do tweet que originou a confusão, criando a ideia de que os dois casos estavam relacionados, é a omissão do ano a que respeita a notícia original (2016) no texto que acompanha a partilha, onde lê apenas que “França prende mulher ‘jihadista’ (22) acusada de tentar preparar ataque terrorista em Paris”.

notre-dame
As televisões de todo o mundo fizeram horas de diretos para reportar a tragédia

A autora da publicação original apercebeu-se de que o post estava a induzir as pessoas em erro e decidiu fazer uma nova publicação de correção, alterando uma expressão: o termo “presa” foi substituído por “sentenciada”. Porém, a mudança não chegou nem perto do alcance que teve a primeira, avança a plataforma de fact-checking “Truth of Fiction”.

Nas redes sociais houve também várias publicações que relacionavam o incêndio de Notre- Dame com outros fogos ocorridos em igrejas francesas, acusando a comunidade muçulmana de ser responsável pelas ocorrências.

As causas do incêndio que na segunda-feira destruiu parte da catedral parisiense permanecem desconhecidas, porém as autoridades francesas estão a tratar o caso como tendo sido um acidente. Em conferência de imprensa, o procurador de Paris, Rémi Heitz, afirmou que “nada vai no sentido de um ato voluntário, o caminho acidental é o preferido”.

O presidente francês Emmanuel Macron anunciou que a catedral será reconstruída e várias entidades privadas já responderam ao repto, doando em poucos dias cerca de 1000 milhões de euros

Avaliação do Polígrafo:

Notificações

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.
Falso