"Segundo a Entidade das Contas e Financiamentos Políticos, a IL foi o partido que mais prejuízo teve em 2021. É agora que eles fecham aquilo e abrem outra coisa ao lado a fazer o mesmo, com os mesmos tipos e o mesmo nome ou quase? É assim que se faz, não é?", escreveu esta manhã João Ferreira, vereador comunista em Lisboa, na sua conta pessoal de Twitter.

De facto, na semana passada foram entregues na Entidade das Contas e Financiamentos Políticos as contas anuais dos partidos relativas ao ano de 2021. De uma análise aos resultados líquidos anuais dos partidos com assento parlamentar, conclui-se que o Partido Comunista Português (PCP) foi mesmo o que mais "lucrou" no ano passado, num total de 1,67 milhões de euros.

No caso do PCP, entre 2020 e 2021 as receitas com angariações de fundos cresceram 90,47%, passando de 918 mil euros para 1,7 milhões de euros. Em termos de donativos o aumento foi ainda mais significativo, mas apenas em termos percentuais: receitas com doações cresceram 370,24%, de 5.730 mil euros para 26.945 mil euros. Os comunistas também gastaram menos com pessoal em 2021 (2,6 milhões de euros) comparativamente a 2020 (3,2 milhões de euros).

Olhando agora para o mais recente documento relativo aos liberais [ndr: ver nota editorial], atualizado esta segunda-feira, é de notar um aumento significativo no que toca, por exemplo, aos fornecimentos e serviços externos, que se cifravam nos 84 mil euros em 2020 e passaram para os 203 mil euros em 2021. Em gastos com pessoal, o Iniciativa Liberal pôs de parte 156 mil euros, mais do dobro do que em 2020 (70 mil euros). Dos cerca de 299 mil euros gastos em campanha eleitoral, 230 mil euros seguiram para as autárquicas, um montante que contrasta com um total de apenas cinco mil euros gastos em 2020.

Em suma, e tendo em conta o crescimento bastante significativo das quotizações, doações e angariações de fundos, os liberais conseguiram, de acordo com a mais recente versão do documento, compensar todos os gastos de 2021, terminando o ano com um valor positivo de 27.996 euros.

__________________________

Nota Editorial: Artigo atualizado às 18h58 de 6 de junho para dar conta de uma retificação dos números relativos ao partido Iniciativa Liberal. De acordo com as contas corrigidas pelos liberais e entregues, esta segunda-feira, ao Tribunal de Contas, o partido passa de um "prejuízo" de 114 mil euros a um resultado líquido positivo de 27.996 euros. Entre as principais alterações estão os fornecimentos e serviços externos, que contabilizaram 203 mil euros em 2021 e não 433 mil euros, como se indicava numa primeira versão do documento.

Ainda assim, tendo em conta os dados disponíveis no momento em que foi tornado público o "tweet" de João Ferreira, não pode concluir-se que o militante comunista veiculou, à data da publicação, informações falsas ou enganadoras.

O Polígrafo entendeu por bem eliminar a classificação associada a este artigo (inicialmente avaliado como "verdadeiro"), bem como escrever a presente nota editorial, que clarifica os dados mais recentes, claramente divergentes com os que foram apresentados por João Ferreira.

Assine a Pinóquio

Fique a par dos nossos fact checks mais lidos com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Receba os nossos alertas

Subscreva as notificações do Polígrafo e receba os nossos fact checks no momento!

Em nome da verdade

Siga o Polígrafo nas redes sociais. Pesquise #jornalpoligrafo para encontrar as nossas publicações.
International Fact-Checking Network