"São seis doses da Pfizer já aprovadas. Este circo que andam a fazer acerca dos 'muitos casos', apesar de termos 90% de vacinação, é para vos convencer a tomar mais", salienta-se no topo da publicação em causa, mostrando uma captura de ecrã a partir de um documento de atualização do Plano de Vacinação contra a Covid-19.

Na imagem é visível a seguinte indicação relativa à vacina BioNTech/Pfizer contra a Covid-19: "Alteração para seis doses, aprovada a 8 de janeiro de 2021".

"Isto está no site do SNS [Serviço Nacional de Saúde]", garante-se, para depois lançar uma série de perguntas: "Achavam vocês que tinham a vacinação completa? Acelerar a vacinação? Até chegarmos à sexta dose?"

Confirma-se que já foi aprovada a administração de seis doses da vacina da Pfizer em Portugal?

De facto, na página do SNS encontramos o Plano de Vacinação contra a Covid-19 e respetivos documentos de atualização, nomeadamente a de 28 de janeiro de 2021 (pode consultar aqui), a partir da qual foi captada a imagem do post sob análise.

Ou seja, a imagem partilhada é autêntica. No entanto, a interpretação em torno da "alteração para seis doses" é completamente errada, na medida em que não foi aprovada a administração de seis doses da vacina da Pfizer em Portugal.

Questionada pelo Polígrafo, fonte oficial do Infarmed - Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde esclarece que a "alteração para seis doses" corresponde, na realidade, à "quantidade de doses que se poderiam extrair de cada frasco da vacina, a qual passou de cinco para seis, no dia 8 de janeiro de 2021".

  • Parlamento Europeu "vota uma proposta" para "indemnizar as vítimas da vacinação Covid-19"?

    "Na sequência das teorias da conspiração, o Parlamento Europeu vota uma proposta de resolução para indemnizar as vítimas da vacinação [contra a] Covid-19", destaca-se nas redes sociais, em publicações que mostram uma imagem da suposta proposta de resolução que, entre outras falsidades, indica que as vacinas "tiveram consequências fatais para cerca de 5.000 pessoas" na União Europeia. O Polígrafo verifica.

No dia 30 de dezembro de 2020, o Infarmed publicou uma nota através da qual informou que "à data da aprovação da Autorização de Introdução no Mercado condicional da vacina Comirnaty [desenvolvida através de uma parceria entre as empresas farmacêuticas BioNTech e Pfizer], os dados relativos ao seu fabrico permitiram determinar a retirada, com reprodutibilidade, de cinco doses em todos os frascos".

Posteriormente, as empresas fabricantes da vacina apresentaram um pedido de alteração das condições de autorização à Agência Europeia de Medicamentos (EMA) para assegurar que, em todos os frascos, seria possível a retirada com exatidão e precisão de seis doses de 0,3 ml da vacina. No dia 8 de janeiro de 2021, o Ministério da Saúde garantiu igualmente que estavam a ser retiradas seis doses por cada frasco da vacina BioNTech/Pfizer.

A conclusão é óbvia: o post em causa está a reproduzir desinformação a partir de uma imagem isolada, difundindo uma interpretação errada da "alteração para seis doses". O facto é que não foi aprovada a administração de seis doses da vacina da Pfizer em Portugal, mas somente a "quantidade de doses" que se podem extrair a partir de cada frasco da vacina.

__________________________________________

Nota editorial: este conteúdo foi selecionado pelo Polígrafo no âmbito de uma parceria de fact-checking (verificação de factos) com o Facebook, destinada a avaliar a veracidade das informações que circulam nessa rede social.

Na escala de avaliação do Facebook, este conteúdo é:

Falso: as principais alegações dos conteúdos são factualmente imprecisas; geralmente, esta opção corresponde às classificações "Falso" ou "Maioritariamente Falso" nos sites de verificadores de factos.

Na escala de avaliação do Polígrafo, este conteúdo é:

Assine a Pinóquio

Fique a par dos nossos fact checks mais lidos com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Receba os nossos alertas

Subscreva as notificações do Polígrafo e receba os nossos fact checks no momento!

Em nome da verdade

Siga o Polígrafo nas redes sociais. Pesquise #jornalpoligrafo para encontrar as nossas publicações.
Falso
International Fact-Checking Network