"Foi nisto que você votou? António Costa refere que temos vindo a convergir com a União Europeia desde 2016. É mais uma das suas mentiras. Uma consulta rápida à página do Eurostat mostra que em 2015 os portugueses tinham um rendimento médio de 78% dos cidadãos da União Europeia e que em 2021 esse valor estava apenas em 74%. O rendimento médio dos portugueses divergiu neste período, não convergiu", destaca-se num post de 25 de julho na página "Iniciativa Liberal - Braga", estrutura do partido liderado João Cotrim de Figueiredo.

É lamentável que o nosso chefe de Governo tenha esta postura de desonestidade para com os portugueses; mas mais lamentável ainda, é que, quando o faz, seja ovacionado por 120 deputados eleitos pelos portugueses que deveriam defender os interesses dos seus eleitores e não de quem quer permanecer agarrado ao poder", conclui-se, numa publicação que exibe também um clip de vídeo que regista uma intervenção do primeiro-ministro no debate sobre o "Estado da Nação", realizado a 20 de julho na Assembleia da República.

As percentagens indicadas estão corretas?

De acordo com os dados compilados pelo Eurostat, serviço de estatística da União Europeia, ao nível do Produto Interno Bruto (PIB) per capita, em Paridades de Poder de Compra (PPC), Portugal baixou de 78% da média da União Europeia (com 27 Estados-membros, excluindo desde logo o Reino Unido que deixou de ser membro em 2020) em 2015, quando António Costa assumiu o cargo de primeiro-ministro, para 74% em 2021.

Entre os atuais 27 Estados-membros, Portugal ocupava a 17ª posição em 2015, tendo caído para a 21.ª posição em 2021.

Em 2015, Portugal ainda estava acima de 10 outros Estados-membros, a saber: Eslováquia, Estónia, Lituânia Grécia, Hungria, Polónia, Letónia, Croácia, Roménia e Bulgária.

Em 2021, porém, regista um PIB per capita (em PPC) superior a apenas seis outros Estados-membros, a saber: Roménia, Letónia, Croácia, Eslováquia, Grécia e Bulgária.

As ultrapassagens pela Polónia e Hungria verificaram-se precisamente em 2021.

No primeiro ano da pandemia de Covid-19, em 2020, a Polónia tinha um PIB per capita (em PPC) similar ao de Portugal, 76% da média da União Europeia, mas em 2021 subiu para 77%, enquanto Portugal baixou para 74%.

Quanto à Hungria, passou de 74% em 2020 para 76% em 2021, em sentido inverso ao da queda de Portugal.

Importa também salientar que em 2015, tanto a Polónia como a Hungria - com 69% e 70% da média da União Europeia, respetivamente - ainda estavam a grande distância de Portugal - com 78% da média da União Europeia.

Os outros dois países que ultrapassaram Portugal desde 2015 foram a Estónia - saltou de 76% para 87% da média da União Europeia em 2021 - e a Lituânia - saltou de 75% para 88% em 2021.

No entanto, o PIB per capita em PPC aumentou 12,7% desde 2015

Apesar da queda relativamente à média da União Europeia, importa ressalvar que, ainda assim, o PIB per capita de Portugal aumentou no mesmo período temporal. Ou seja, desde que Costa assumiu o cargo de primeiro-ministro, no final de 2015.

De acordo com os dados compilados pelo Eurostat, ao nível do PIB per capita, em PPC, o facto é que Portugal passou de 21.300 em 2015 para 24.000 em 2021, o que perfaz um aumento global de cerca de 12,7%.

Na comparação entre 2015 e 2019, passou de 21.300 para 24.600, o que perfaz um aumento de cerca de 15,5%.

__________________________________

Avaliação do Polígrafo:

Assine a Pinóquio

Fique a par dos nossos fact checks mais lidos com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Receba os nossos alertas

Subscreva as notificações do Polígrafo e receba os nossos fact checks no momento!

Em nome da verdade

Siga o Polígrafo nas redes sociais. Pesquise #jornalpoligrafo para encontrar as nossas publicações.
Verdadeiro, mas...
International Fact-Checking Network