"Refugiados ucranianos provocam um incêndio florestal em Espanha com a queima de bandeira russa em Zamora. Demência no sangue", lê-se num dos tweets em causa, datado de 27 de julho (tradução livre a partir do original em língua castelhana). "Uma do 'aquecimento global'. Refugiados ucranianos em Espanha decidiram queimar uma bandeira russa. Pois bem, não? Mas com ela arrasaram 31 mil hectares de terreno, no incêndio que provocou a referida ação", descreve-se noutro exemplo, de 29 de julho.

Mostram um clip de vídeo do que parece ser um noticiário da RTVE, televisão estatal de Espanha, com imagens dos "incêndios catastróficos em Zamora". Ora, no rodapé dessas imagens surge a informação de que "o incêndio começou devido aos refugiados ucranianos". É essa a base do rumor que se propagou viralmente no Twitter, ao longo das últimas semanas. Mas será que tem fundamento?

Foi um dos maiores incêndios florestais de sempre em Espanha, ocorrido em julho, tendo consumido mais de 30 mil hectares na região da cidade de Zamora. Mas não há qualquer indício de que tenha sido causado por refugiados ucranianos, ou pela queima de uma bandeira da Rússia.

A "Maldita.es", plataforma espanhola de verificação de factos, analisou o vídeo em causa e identificou a origem das imagens num noticiário emitido pela RTVE no dia 22 de julho, às 15 horas (pode consultar aqui).

Nas imagens originais não surge no rodapé a informação de que "o incêndio começou devido aos refugiados ucranianos". Aliás, naquele exato momento aparece, sim, uma referência à notícia de que "um condutor de TVDE abusou de uma passageira", sem qualquer relação com o incêndio de Zamora.

Trata-se de uma montagem, uma manipulação das imagens em que se acrescenta um texto com informação falsa.

____________________________________

Avaliação do Polígrafo:

Assine a Pinóquio

Fique a par dos nossos fact checks mais lidos com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Receba os nossos alertas

Subscreva as notificações do Polígrafo e receba os nossos fact checks no momento!

Em nome da verdade

Siga o Polígrafo nas redes sociais. Pesquise #jornalpoligrafo para encontrar as nossas publicações.
Pimenta na Língua
International Fact-Checking Network