“Adoro subversão da boa. Tampões têm IVA mais alto que os livros? Vendemos um livro de tampões. Lindo”, escreve-se numa de muitas publicações do Twitter a chamar a atenção para uma iniciativa ousada de uma empresa alemã, a “The Female Company”. O tweet, de 31 de março, partilha uma notícia do jornal britânico "The Guardian".

Em causa está a ideia da marca de produtos menstruais que, ao perceber que o imposto cobrado na Alemanha sobre estes itens (19%) era superior ao cobrado por livros (7%), começou a vender tampões dentro de livros. O objeto foi, por isso, intitulado de “O Livro dos Tampões”.

Confirma-se?

A iniciativa partilhada nas redes sociais durante o mês de março é verdadeira. No entanto, apesar de estar a ser partilhada como atual, já está desatualizada, uma vez que, em 2020, o imposto sobre os tampões foi reduzido para 7%.

Quando o “Livro dos Tampões” foi lançado, em 2019, de facto, o imposto sobre os produtos menstruais era bastante superior ao cobrado por livros, por exemplo. Na altura, a “The Female Company” denunciava que os tampões eram considerados “bens de luxo” ao contrário de outros bens que a empresa considera não essenciais como “flores, trufas ou pinturas a óleo”.

Contudo, em 2020, a Alemanha reduziu o imposto destes produtos absorventes, apesar de anteriormente o parlamento ter afirmado que esta taxa não era discriminatória para as pessoas que menstruam.

Essa informação consta, inclusive, da página da “The Female Company”. Assim que se acede ao site da empresa, abre-se uma janela em que o anúncio da mudança está visível: “A Alemanha mudou o imposto sobre os tampões. Compra o teu produto menstrual justamente tributado agora e economiza dinheiro.”

__________________________________

Avaliação do Polígrafo:

Assine a Pinóquio

Fique a par dos nossos fact checks mais lidos com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Receba os nossos alertas

Subscreva as notificações do Polígrafo e receba os nossos fact checks no momento!

Em nome da verdade

Siga o Polígrafo nas redes sociais. Pesquise #jornalpoligrafo para encontrar as nossas publicações.
Impreciso
International Fact-Checking Network