"Este é o senhor que fala tanto de investimento", comenta-se no post de 20 de dezembro de 2021 no Facebook, denunciado como sendo falso ou enganador. Refere-se ao "senhor" Rui Rio, atual líder do PSD, que presidiu à Câmara Municipal do Porto (CMP) entre 2001 e 2013. A publicação baseia-se num gráfico que apresenta a evolução do nível de investimento executado pela CMP durante esse período de tempo, precisamente.

Sob o título "12 anos de Rui Rio no Porto", os dados do gráfico (sem qualquer indicação de fonte) mostram uma notória queda do investimento durante a presidência de Rio: de 104 milhões de euros em 2001 para apenas 21 milhões em 2013. Esses dados estão corretos?

Os dados do gráfico foram recolhidos a partir de um artigo do jornal "Observador", datado de 12 de janeiro de 2018, com o seguinte título: "Como Rui Rio governou o Porto. 12 histórias para conhecer melhor o novo líder do PSD".

Na primeira das "histórias" - "Os resultados económicos de Rui Rio: menos 100 milhões de dívida" - descreve-se a situação financeira da CMP ao longo dos 12 anos em que Rio assumiu a respetiva presidência. Destaque para a dívida da autarquia (bancária e a terceiros) que diminiu consideravalmente durante esse período de gestão de Rio, entre outros indicadores, nomeadamente o nível de investimento.

  • Rui Rio: "Se não houvesse apoios sociais, 43% da população era pobre". Confirma-se?

    Os apoios sociais foram um tema recorrente ao longo do debate entre Rui Rio e André Ventura, ontem à noite, na SIC. O líder do Chega voltou a alertar para o considera ser um "excesso de subsidiodependência" em Portugal. Do lado oposto da mesa, o líder do PSD sublinhou que "a taxa de risco de pobreza e exclusão social antes dos subsídios que o Estado paga é de 43% e após transferências de 18,4%".

"Mesmo que os seus três mandatos tenham coincidido com a crise financeira no país, conseguiu reduzir a dívida da Câmara do Porto em mais de 100 milhões de euros", destaca-se no artigo.

Quanto ao nível de investimento, confirma-se a queda de 104 milhões de euros em 2001 para apenas 21 milhões em 2013. Menos 83 milhões de euros no total, do primeiro para o último ano da presidência de Rio.

Em busca de uma fonte primária, o Polígrafo pediu acesso aos dados da CMP que disponibilizou os relatórios de gestão da autarquia entre 2001 e 2013.

Analisando os relatórios de gestão confirma-se que os números apresentados no gráfico estão corretos. Pelo que classificamos a publicação em causa como verdadeira, embora ressalvando que, a par do investimento, também a dívida da CMP diminuiu substancialmente naquele período de tempo sob a presidência de Rio.

___________________________________

Nota editorial: este conteúdo foi selecionado pelo Polígrafo no âmbito de uma parceria de fact-checking (verificação de factos) com o Facebook, destinada a avaliar a veracidade das informações que circulam nessa rede social.

Na escala de avaliação do Facebook, este conteúdo é:

Verdadeiro: as principais alegações do conteúdo são factualmente precisas; geralmente, esta opção corresponde às classificações "Verdadeiro" ou "Maioritariamente Verdadeiro" nos sites de verificadores de factos.

Na escala de avaliação do Polígrafo, este conteúdo é:

Assina a Pinóquio

Fica a par de todos os fact-checks com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Recebe os nossos alertas

Subscreve as notificações do Polígrafo e recebe todos os nossos fact-checks no momento!

Em nome da verdade

Segue o Polígrafo nas redes sociais. Pesquisa #jornalpoligrafo para encontrares as nossas publicações.
Verdadeiro
International Fact-Checking Network