“Lei de vacinação obrigatória na Dinamarca abandonada depois de protestos públicos”, destaca-se no título do artigo (tradução livre a partir do original em língua inglesa). No respetivo texto lê-se que “uma lei na Dinamarca que daria às autoridades o poder de obrigar à injeção de uma vacina contra o coronavírus nas pessoas foi abandonada após nove dias de protestos públicos”.

“A 'lei de epidemias' teria dado ao Governo dinamarquês o poder de decretar medidas de quarentena obrigatórias contra qualquer pessoa infectada com uma doença perigosa, mas foi a parte sobre vacinações que causou o maior alvoroço”, salienta-se.

No artigo remete-se depois para um tweet em que uma cidadã dinamarquesa afirma que “a autoridade sanitária dinamarquesa poderia definir grupos de pessoas que devem ser vacinadas para conter e eliminar uma doença perigosa”. No entanto, indica-se no artigo, “após nove dias de protestos contra a nova lei, acabou por ser descartada”.

Dinamarca vacinação

Este conteúdo foi denunciado no Facebook como sendo fake news. Confirma-se?

Analisando a fotografia patente no artigo, através da aplicação TinEye, verificamos que tem origem em várias notícias do jornal britânico Daily Mail. A mais antiga data de 29 de agosto e na legenda da imagem lê-se o seguinte: “Centenas de pessoas saíram às ruas da capital dinamarquesa [Copenhaga] para pedir o fim das restrições causadas pela Covid-19”. A fotografia é da Agence France-Presse (AFP).

Sobre a referida “lei das epidemias”, uma notícia do jornal dinamarquês Jyllands-Posten, datada de 16 de novembro, informa que a primeira-ministra do país, Matte Frederiksen, reconheceu que o projeto de lei necessita de ser alterado, em resposta às críticas generalizadas e protestos públicos de que tem sido alvo. “Vamos olhar novamente para a lei das epidemias, levaremos as críticas a sério e deve ser encontrado um melhor equilíbrio”, afirmou Frederiksen.

Na mesma notícia lê-se que “desde o dia 4 de novembro, um grupo de manifestantes encheu a praça em frente ao Christiansborg [sede do Parlamento da Dinamarca] para protestar”.

Confirma-se assim que o Governo da Dinamarca recuou, de facto, no âmbito de um projeto de lei que determinava a vacinação obrigatória (nomeadamente contra a Covid-19) por causa das críticas e protestos públicos de que foi alvo. Importa porém ressalvar que a imagem do artigo não é recente, nem retrata os protestos públicos contra essa lei em específico.

__________________________________________

Nota editorial: este conteúdo foi selecionado pelo Polígrafo no âmbito de uma parceria de fact-checking (verificação de factos) com o Facebook, destinada a avaliar a veracidade das informações que circulam nessa rede social.

Na escala de avaliação do Facebookeste conteúdo é:

Verdadeiro: as principais alegações do conteúdo são factualmente precisas; geralmente, esta opção corresponde às classificações "Verdadeiro" ou "Maioritariamente Verdadeiro" nos sites de verificadores de factos.

Na escala de avaliação do Polígrafoeste conteúdo é:

Notificações

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.
Verdadeiro
International Fact-Checking Network