Na última semana de campanha, uma reportagem da revista Sábado que divulgava um vídeo em que a presidente da Junta de Freguesia de Arroios, Margarida Martins, usava os meios daquele órgão autárquico para fazer as suas compras pessoais e algumas informações relativas àquela candidata socialista geraram grande polémica e despertaram a atenção para o resultado eleitoral naquela freguesia lisboeta.

Na madrugada de segunda-feira, 27 de setembro, ficou a saber-se que a coligação "Mais Lisboa", liderada por Fernando Medina, perdera as eleições para a coligação "Novos Tempos", encabeçada por Carlos Moedas. E que a derrota tinha assentado na inversão das preferências dos eleitores de sete freguesias: Alvalade, Areeiro, Arroios, Avenidas Novas, Lumiar, Parque das Nações e São Domingos de Benfica.

Os socialistas (com o Livre) deixaram de ser a força política mais votada para a Câmara Municipal nas sete freguesias já referidas e em cinco Assembleia de Freguesia (sufrágio que determina quem é o presidente da junta), isto porque no Areeiro e Avenidas Novas já não tinham vencido nas autárquicas de 2017.

Analisando o fluxo de votos entre as duas autárquicas (2017 e 2021), verifica-se que foi Arroios foi, logo a seguir ao Lumiar, a freguesia em que  o PS perdeu mais votos na capital do país.

O território liderado por Margarida Martins, apesar de ter sido apenas o quarto com maior número de votantes (entre os sete com mudança de cor política), foi um dos que registou o maior número absoluto de perda de votos das listas socialistas para Câmara Municipal e Assembleia de Freguesia: Medina deixou de ter 1.839 votos e Margarida Martins 2.459 votos. Em termos relativos, na conversão em pontos percentuais, a queda é ainda mais evidente: 11,17 para a Câmara e 16,15 para a Junta. Quer isto dizer que quase um terço dos eleitores que deixaram de votar em Margarida Martins optaram, ainda assim, por manter a escolha em Fernando Medina, numa clara reprovação da gestão autárquica da antiga presidente da Associação Abraço.

Apenas na freguesia do Lumiar – onde o médico Ricardo Mexia concorria com o deputado Pedro Delgado Alves – a ordem de grandeza do desbaste eleitoral socialista é comparável ao de Arroios: Medina perdeu 1.977 votos (11.07 pontos percentuais) e Pedro Delgado Alves 2.438 votos (13.29 pontos percentuais).

Perdas do PS nas Assembleias de Freguesia onde deixou de ser a força política mais votada (candidatos às juntas)

FreguesiaVotosPontos percentuais
Alvalade1.1167,57
Arroios2.45916,15
Lumiar2.43813,29
Parque das Nações2104
São Domingos de Benfica1.0506,43

Perdas do PS nas freguesias onde deixou de ser a força política mais votada para a Câmara Municipal (Fernando Medina)

FreguesiaVotosPontos percentuais
Alvalade1.3438,97
Areeiro9468,82
Arroios1.83911,17
Avenidas Novas1.0318,43
Lumiar1.97711,07
Parque das Nações6478,68
São Domingos de Benfica1.2727,74

Tanto nestas duas freguesias como nas cinco restantes que determinaram a derrota de Medina e dos candidatos às respetivas juntas, a coligação PS/Livre passou a ser a segunda força política, ultrapassada por pela união entre PSD/CDS/MPT/PPM/Aliança.

Em suma, é verdadeiro que a freguesia presidida por Margarida Martins – Arroios - foi uma daquelas em que o PS perdeu mais votos nas últimas autárquicas em Lisboa, quer para a Câmara Municipal, quer para a Assembleia de Freguesia, com a erosão a ser ainda maior para Margarida Martins do que para Fernando Medina.

____________________________________

Avaliação do Polígrafo: 

Assina a Pinóquio

Fica a par de todos os fact-checks com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Recebe os nossos alertas

Subscreve as notificações do Polígrafo e recebe todos os nossos fact-checks no momento!

Em nome da verdade

Segue o Polígrafo nas redes sociais. Pesquisa #jornalpoligrafo para encontrares as nossas publicações.
Verdadeiro
International Fact-Checking Network