As imagens começaram a circular nas redes sociais no penúltimo fim-de-semana e terão sido captadas num bar de Coimbra, que também tem serviço de refeições, no dia 5 de novembro. Em várias delas é possível ver grupos de jovens, abraçados, sem máscara ou qualquer distanciamento social.

Uma das publicações que denunciam o caso contextualiza o que terá acontecido: "Têm saudades da vida pré-pandemia? Aqui está um revival na discoteca Mandarim em Coimbra, na passada quinta-feira. Que saudades destes tempos!". O post deixa, ainda, uma nota: "Entretanto, as fotos desapareceram da página da Mandariam. Mas uma vez na Internet, para sempre na Internet".

De facto, em algumas imagens partilhadas, é possível verificar que os grupos ultrapassam as 10 pessoas, o que, na altura, já era um desrespeito pelas regras impostas pelo Governo a 31 de outubro, determinando que, a partir de 4 de novembro, o número máximo de pessoas por grupo, nos restaurantes, estava limitado a seis.

Será que, por um lado, as imagens são autênticas e, por outro, foram captadas no dia 5 de novembro, altura em que vigorava o "Estado de Calamidade" e ajuntamentos deste tipo estavam proibidos?

A resposta é sim.

Em primeiro lugar, as imagens partilhadas apresentam, em marca de água, o logótipo do bar que agora funciona como lounge, o que sugere que terão sido captadas de forma oficial pelo estabelecimento.

Em segundo lugar, uma captura de ecrã publicada numa das denúncias mostra que a página oficial da Mandarim no Facebook carregou um álbum com a data de 5 de novembro, onde constavam as fotografias no centro da polémica.

Em terceiro lugar, ao Polígrafo, a gerência do bar confirmou o incidente, mas de forma circunscrita: "Um grupo grande de estudantes, que na grande maioria vivem juntos, não estava a cumprir as normas e foram expulsos do espaço. A PSP testemunhou, porque estava a fazer ronda pela zona".

Certo é que o Comando Distrital da Polícia de Segurança Pública de Coimbra, numa nota enviada à nossa redação, não confirma a presença dos agentes no local: "A PSP não teve conhecimento de qualquer situação relacionada com o incumprimento das regras de distanciamento social, impostas pela Direção-Geral da Saúde e pela própria lei".

Por outro lado, apesar de a gerência do bar garantir que o incumprimento das normas de saúde pública partiu apenas de um grupo de jovens, é notório, ao longo das diferentes fotografias, que os mesmos clientes surgem acompanhados por grupos distintos.

Ao Polígrafo, fonte oficial do Mandarim salientou que as imagens foram apagadas da página de Facebook do lounge, mas não pelo facto de o estabelecimento ter promovido uma ilicitude: "Várias pessoas que estavam retratadas pediram-nos para as retirar (as fotografias), o que é um direito que lhes assiste, pois estavam a ter partilhas descontextualizadas".

Em conclusão, as imagens que circulam nas redes sociais que dão conta que um bar em Coimbra permitiu que grupos superiores a seis pessoas se juntassem dentro das instalações, desrespeitando as regras impostas pelo Governo, são autênticas. A gerência do estabelecimento garante que os infratores foram expulsos das instalações na presença da PSP, mas a PSP garante que não teve conhecimento do episódio, entretanto denunciado nas redes sociais.

__________________________________________

Nota editorial: este conteúdo foi selecionado pelo Polígrafo no âmbito de uma parceria de fact-checking (verificação de factos) com o Facebook, destinada a avaliar a veracidade das informações que circulam nessa rede social.

Na escala de avaliação do Facebookeste conteúdo é:

Verdadeiro: as principais alegações do conteúdo são factualmente precisas; geralmente, esta opção corresponde às classificações "Verdadeiro" ou "Maioritariamente Verdadeiro" nos sites de verificadores de factos.

Na escala de avaliação do Polígrafoeste conteúdo é:

Notificações

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.
Verdadeiro
International Fact-Checking Network