"Foram encontrados os supostos balões que iniciam os incêndios. Custam muito a rebentar e têm um fio lá dentro, talvez com pólvora. Quem os encontrar pode guardar para entregar à GNR", descreve-se no post de 14 de julho no Facebook, partilhado por centenas de pessoas.

Esta publicação foi enviada ao Polígrafo por um leitor, com pedido de verificação de factos, mas a desconfiança parece ser geral.

Na caixa de comentários, por exemplo, alguém questiona sobre se os balões foram mesmo encontrados, onde, quando, por quem e que encaminhamento deram as autoridades, deixando até um aviso: "Informo que se não obtiver resposta, inclusive algo que comprove a veracidade destes factos aqui apresentados, denunciarei o perfil."

De facto, contactada pelo Polígrafo, fonte oficial da Guarda Nacional Republicana (GNR) indica não ter "registo de ocorrências ou denúncias que envolvam os artefactos apresentados na fotografia, nem que estejam a ser utilizados como meios de ignição de incêndios".

Ainda que não haja, até agora, registo deste tipo de ocorrência, a GNR não deixa de apelar a que, "no caso de serem encontrados artefactos similares ou outros passíveis de serem percutores de incêndio florestal", o contacto com a GNR seja feito. Além disso, os cidadãos devem ainda evitar o "contacto com o objeto por forma a permitir a recolha de indícios no local".

Recorde-se que, de acordo com o "8.º Relatório Provisório de Incêndios Rurais de 2021", do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), apenas 23% dos incêndios em Portugal no ano de 2021 foram atribuídos a "incendiarismo relacionado a indivíduos imputáveis".

Assine a Pinóquio

Fique a par dos nossos fact checks mais lidos com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Receba os nossos alertas

Subscreva as notificações do Polígrafo e receba os nossos fact checks no momento!

Em nome da verdade

Siga o Polígrafo nas redes sociais. Pesquise #jornalpoligrafo para encontrar as nossas publicações.
International Fact-Checking Network