A fotografia em causa foi partilhada no dia 8 de abril de 2021. Na imagem vê-se um conjunto de pessoas numa esplanada situada na Ribeira do Porto. Não é possível ver qualquer máscara, nem um mínimo de distanciamento físico entre as pessoas. Os funcionários do respetivo estabelecimento de restauração, vestidos de azul, também não estão a utilizar máscaras. Em várias mesas parecem estar sentadas mais do que quatro pessoas.

A fotografia é atual, demonstrando assim um generalizado desrespeito pelas regras de contenção da pandemia em vigor?

Na realidade, esta imagem foi replicada a partir de uma fotografia original arquivada na página "Olhares - Fotografia Online", da autoria de Floriano Gonçalves e datada de 24 de agosto de 2015. Título: "Esplanada cheia na Ribeira".

Ou seja, a fotografia não é atual, mas de 2015, quase cinco anos antes do início da pandemia de Covid-19.

A reabertura das esplanadas nos estabelecimentos de restauração e pastelaria arrancou a 5 de abril, incluída na segunda fase do plano de desconfinamento. Contudo, há regras que devem ser cumpridas, tanto pelos estabelecimentos como pelos clientes, compiladas aliás pela Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) num guia de boas práticas. Entre essas directrizes, aprovadas pela Direção-Geral da Saúde (DGS), estão o distanciamento entre as mesas, a lotação máxima de quatro pessoas por cada mesa, a utilização de máscaras (excepto no momento do consumo), entre outras.

No entanto, a afluência de muitas pessoas às esplanadas tem gerado alguma confusão, o que levou a PRO.VAR - Associação Nacional de Restaurantes a pedir medidas urgentes ao Governo para evitar que os clientes desrespeitem as regras sobre a utilização de máscaras.

Desde a reabertura das esplanadas, a Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) já levou a cabo duas operações de fiscalização, numa ação de "verificação do cumprimento dos requisitos legais", nos dias 8 de abril e 12 de abril.

Na primeira ação, 26 equipas da ASAE visitaram 194 espaços de norte a sul do país. Foram emitidos 21 processos de contra-ordenação, 14 deles relacionados com o incumprimento da utilização de máscara, mas também devido às regras de lotação dos espaços e ao distanciamento físico.

Na segunda operação de fiscalização houve um reforço: 248 esplanadas e espaços comerciais em todo o país foram inspecionados, com 28 brigadas envolvidas, resultando em 19 processos de contra-ordenação instaurados e sete esplanadas encerradas.

__________________________________________

Nota editorial: este conteúdo foi selecionado pelo Polígrafo no âmbito de uma parceria de fact-checking (verificação de factos) com o Facebook, destinada a avaliar a veracidade das informações que circulam nessa rede social.

Na escala de avaliação do Facebookeste conteúdo é:

Falso: as principais alegações dos conteúdos são factualmente imprecisas; geralmente, esta opção corresponde às classificações "Falso" ou "Maioritariamente Falso" nos sites de verificadores de factos.

Na escala de avaliação do Polígrafoeste conteúdo é:

Assina a Pinóquio

Fica a par de todos os fact-checks com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Recebe os nossos alertas

Subscreve as notificações do Polígrafo e recebe todos os nossos fact-checks no momento!

Em nome da verdade

Segue o Polígrafo nas redes sociais. Pesquisa #jornalpoligrafo para encontrares as nossas publicações.
Falso
International Fact-Checking Network