"Uma igreja na Ucrânia totalmente destruída, apenas ficou intacta a imagem de Cristo ressuscitado... Se isto não é um sinal dos tempos será o quê? É esse Cristo ressuscitado dos escombros um sinal de esperança... Podem destruir templos mas jamais a fé. Ali está Cristo a dizer-nos 'eu sou a ressurreição e a vida'", lê-se numa publicação escrita em espanhol, datada de 19 de abril.

Na imagem partilhada é possível observar as ruínas e escombros de um edifício e uma estátua de Cristo, com braços abertos, em boas condições.

A fotografia é autêntica?

O Polígrafo investigou a imagem em causa através de uma busca inversa no Google e encontrou a fotografia original, publicada pela agência suíça Keystone.

Na realidade, a fotografia partilhada não é atual e não foi captada na Ucrânia. O fotógrafo registou o momento a 9 de abril de 2009 e a destruição da Basílica de Santa Maria di Collemaggio resultou de um sismo de 6,3 graus de magnitude que atingiu a cidade de Áquila, em Itália. O sismo, que aconteceu na madrugada de 6 de abril de 2009, causou a morte a 309 pessoas e destruiu muitos dos edifícios históricos.

Na fotografia de Claudio Lattanzio não se vislumbra qualquer imagem de Cristo, apenas escombros e destruição. A imagem continua disponível na Agência EFE (na ocasião dos 11 anos do sismo) e European Pressphoto Agency.

Num vídeo, partilhado a 20 de outubro de 2020 no Youtube, onde se mostram detalhes da reconstrução da igreja italiana, também não aparece qualquer estátua semelhante de Jesus Cristo. Assim, estamos perante uma imagem claramente manipulada e que nada tem a ver com a invasão da Ucrânia.

___________________________________

Avaliação do Polígrafo:

Assine a Pinóquio

Fique a par dos nossos fact checks mais lidos com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Receba os nossos alertas

Subscreva as notificações do Polígrafo e receba os nossos fact checks no momento!

Em nome da verdade

Siga o Polígrafo nas redes sociais. Pesquise #jornalpoligrafo para encontrar as nossas publicações.
Pimenta na Língua
International Fact-Checking Network