Está a circular nas redes sociais, inclusive como conteúdo patrocinado no Facebook, uma suposta notícia da CNN sobre a aquisição pelo Estado de português de uma empresa por 500 milhões de dólares. "O ministro das Finanças de Portugal anuncia a aquisição de uma 'startup" por 500 milhões, dizendo que 'é aqui que está o futuro'", indica o título do artigo, ilustrado por uma fotografia do ministro Mário Centeno.

"O ministro das Finanças de Portugal acaba de investir uma parte da sua riqueza num novo projeto que o Governo acredita que irá moldar o futuro da indústria financeira. O ministro das Finanças parece agora estar disposto a irromper pelo mundo da tecnologia 'blockchain'. No sábado, finalizou um negócio de 500 milhões de dólares com a The Bitcoin Code, dizendo que "o futuro da indústria financeira depende de as pessoas terem acesso aos melhores recursos possíveis", destaca o artigo.

Mário Centeno

Contactado pelo "Polígrafo", o gabinete do ministro das Finanças informa que todos os dados do artigo "não são verdadeiros", mas não responde sobre se tenciona denunciar a falsidade. De facto, não houve qualquer aquisição da empresa The Bitcoin Code pelo Estado português, nem o ministro proferiu, alguma vez, tais declarações. Todos os "links" da notícia falsa direcionam o leitor para esta página, que faz parte de um esquema montado para promover a aquisição de "bitcoins" - ou seja, de impulsionar a compra de dinheiro digital.

"O ministro das Finanças de Portugal acaba de investir uma parte da sua riqueza num novo projeto que o Governo acredita que irá moldar o futuro da indústria financeira", pode ler-se no artigo.

O artigo em causa, com milhares de partilhas nas redes sociais e promoções pagas, é, por isso, totalmente falso. Não tem qualquer relação com a CNN, utilizando ilegalmente o logótipo e o nome da estação de televisão norte-americana. Além da imagem e do nome do ministro das Finanças de Portugal, reproduzindo citações apócrifas, falsas, sem qualquer ponto de contacto com a realidade. A notícia parece funcionar como chamariz para o esquema fraudulento que se desenvolve a partir do terceiro parágrafo, culminando no pedido de dados pessoas e bancários ao leitor. Desinformação e fraude.

Por estas razões, a informação segundo a qual o Estado português investiu 500 milhões de dólares em bitcoins é...

Falso