"Pensa-se que a dieta seja responsável por 30% de todos os cancros. Uma investigação mais aprofundada sobre a influência do consumo de lacticínios pode ajudar a perceber melhor quais os produtos alimentares mais valiosos em termos de redução do risco para esta doença", lê-se no texto da publicação. "A maioria dos cancros desenvolve-se devido a alterações (mutações) nos genes. Uma célula normal pode tornar-se numa célula cancerígena, após ocorrerem uma série de alterações genéticas. O tabaco, alguns vírus, ou outros factores relacionados com o estilo de vida das pessoas ou com o ambiente, podem originar essas alterações em determinados tipos de células".

"Algumas alterações genéticas, que aumentam o risco de cancro, passam de pais para filhos. Na altura do nascimento, estas alterações estão presentes em todas as células do organismo.Alimentos lácteos específicos podem influenciar o risco de cancro de mama em mulheres, embora o risco varie de acordo com a fonte do produto lácteo, de acordo com um estudo realizado por investigadores do Roswell Park Cancer Institute, EUA", acrescenta-se.

Confirma-se que o referido estudo conclui que o consumo de lacticínios poderá ser "responsável por 30% de todos os cancros"?

Não. O estudo realizado por investigadores do Roswell Park Cancer Institute conclui que "o consumo diário de alimentos lácteos específicos pode influenciar o risco de cancro da mama em mulheres, embora o risco varie mediante a origem do produto lácteo".

No artigo que divulga as conclusões do estudo, a única referência a 30% está contida numa citação atribuída a uma das investigadoras, Christine Ambrosone, que traduzimos e passamos a transcrever: "Na medida em que se pensa que a dieta é responsável por 30% de todos os cancros, esperamos que mais investigações nos ajudem a entender melhor que produtos alimentares são mais valiosos no que concerne a reduzir o risco desta doença".

Em suma, o estudo não conclui que o consumo de lacticínios poderá ser "responsável por 30% de todos os cancros", mas sim que "o consumo diário de alimentos lácteos específicos pode influenciar o risco de cancro da mama em mulheres". Quanto à citação da investigadora Christine Ambrosone, refere-se à dieta em geral, isto é, todos os alimentos que consumimos, não apenas os lacticínios.

O texto da publicação em análise está correto, mas o título é completamente falso e enganador.

***

Nota editorial: este conteúdo foi selecionado pelo Polígrafo no âmbito de uma parceria de fact-checking com o Facebook, destinada a avaliar a veracidade das informações que circulam nessa rede social.

Na escala de avaliação do Facebookeste conteúdo é:

Título falso: as principais alegações dos conteúdos do corpo do artigo são verdadeiras, mas a alegação principal no título é factualmente imprecisa.

Na escala de avaliação do Polígrafoeste conteúdo é:

Notificações

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.
Falso
International Fact-Checking Network