"Há uma razão específica pela qual você pode querer fazer isto: se ficar preso num carro, em casos de emergência, esses apoios de cabeça removíveis podem ser usados para partir uma janela. Tenha cuidado e reze para que nunca chegue o dia em que precisará deste conhecimento, mas tenha isso em mente", lê-se num dos vários posts divulgados no Facebook sobre este tema.

O Polígrafo questionou a Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR) sobre a utilidade desta dica: será mito ou facto?

De acordo com o Regulamento n.º 25 da Comissão Económica para a Europa das Nações Unidas (UN/ECE) — "Uniform provisions concerning the approval of head restraints (headrests), whether or not incorporated in vehicle seats", disponível aqui, o apoio de cabeça "é um dispositivo cuja função é limitar o deslocamento para a retaguarda da cabeça de um ocupante adulto relativamente ao seu tronco, de modo a reduzir o perigo de lesão das vértebras cervicais desse ocupante em caso de acidente", explica a ANSR.

"Assim, não se confirma que os encostos de cabeça sejam concebidos para partir o vidro do carro em caso de emergência", conclui a Autoridade.

Ainda segundo o mesmo Regulamento, "existem veículos equipados com apoios de cabeça integrados, 'um apoio de cabeça constituído pela parte superior do encosto do banco. São abrangidos por esta definição os apoios de cabeça que apenas podem ser separados do banco ou da estrutura do veículo fazendo uso de ferramentas ou removendo parcial ou completamente o revestimento do banco'".

  • Alerta no Facebook: "Moeda presa na maçaneta da porta permite roubo do automóvel"

    A publicação que está a ser amplamente partilhada no Facebook alerta para “um novo truque” que permite roubar automóveis mais facilmente. Como é descrito no texto, prende-se uma moeda no puxador de uma das portas, impedindo o condutor de trancar o veículo sem saber. No entanto, a Polícia de Segurança Pública e a DECO Proteste garantem que esta técnica é inviável.

Além disso, a ANSR lembra que "as janelas dos veículos são de vidro temperado, material sujeito a tratamento especial destinado a aumentar-lhe a resistência mecânica e a controlar-lhe a fragmentação após rutura", sendo que "o para-brisas é muitas vezes de vidro laminado pelo que são praticamente indestrutíveis mesmo utilizando um martelo de emergência". E explica: "as marcações existentes no vidro do para-brisas permite identificar o tipo de vidro: I para vidro temperado, II para vidro laminado comum e III para vidro laminado tratado."

"Em caso de bloqueio dos vidros, não sendo possível contar com ajuda/socorro de alguém que esteja fora do veículo para sair, recomenda-se partir uma janela com um qualquer objeto duro ou afiado. Para lidar com situações desta natureza existem martelos de emergência que muitas vezes dispõem também de uma lâmina para cortar o cinto de segurança e têm um custo da ordem dos 10 euros", recomenda a mesma fonte. "Não sendo obrigatório, é recomendável dispor de um martelo de emergência em local de fácil acesso no interior do veículo".

_____________________________

Avaliação do Polígrafo:

Assine a Pinóquio

Fique a par dos nossos fact checks mais lidos com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Receba os nossos alertas

Subscreva as notificações do Polígrafo e receba os nossos fact checks no momento!

Em nome da verdade

Siga o Polígrafo nas redes sociais. Pesquise #jornalpoligrafo para encontrar as nossas publicações.
Falso
International Fact-Checking Network