As teorias tornaram-se virais nas redes sociais assim que o Presidente dos EUA, Donald Trump, divulgou imagens do momento em que a porta-voz da Casa Branca, Kayleigh McEnany, entregou à jornalista da CBS Lesley Stahl um livro com a compilação das decisões do líder norte-americano para o setor da Saúde.

“Uma metáfora perfeita da presidência de Donald Trump”, escreveu-se no Twitter.

David Leavitt

Confirma-se que o livro entregue pelo staff de Donald Trump à jornalista da CBS estava mesmo em branco?

A resposta é negativa.

O site conservador “Washington Examiner” obteve uma versão em PDF do conteúdo do livro entregue a Stahl e constatou que, nas suas 512 páginas, estavam 13 ordens executivas e outras 11 medidas legislativas relativas ao sistema de saúde que foram promulgadas por Trump.

Ao jornal de fact-checking “Snopes”, um porta-voz da CBS confirmou que o conteúdo do livro era realmente o que fora noticiado pelo “Washington Examiner”. Além disso, explicou que o livro não estava em branco - a página para que Stahl olhava no momento da fotografia realmente não tinha nada escrito, mas as restantes estavam integralmente preenchidas.

Trump

Recorde-se que Donald Trump abandonou abruptamente a entrevista em causa, tendo divulgou nas suas redes sociais a conversa completa e não editada ainda antes de a mesma ser transmitida pela estação televisiva, como um sinal de protesto pela forma como considerou ter sido tratado por Lesley Stahl.

A irritação do líder norte-americano ficou patente desde o início, quando Stahl lhe perguntou se estaria preparado para “algumas perguntas difíceis”. O vídeo mostra Trump a ficar cada vez mais agitado à medida que a jornalista o confronta com vários tópicos, sobretudo os que relacionam com a sua resposta à pandemia de Covid-19 ou a substituição do programa de saúde Obamacare.

"Isso não é maneira de falar. Isso não é maneira de falar. Você é muito negativa", acusou Trump ao fim de 40 minutos de conversa, quando decidiu sair da sala.

________________________

Avaliação do Polígrafo:

Siga-nos na sua rede favorita.
Falso
International Fact-Checking Network