"Meu caro branco, a coisa mais inteligente que podias fazer era mostrares esse ódio por ti mesmo e deixar de respirar durante 10m, para dar exemplo", comenta o Partido Ergue-te numa publicação no Facebook, acompanhada de uma suposta notícia do jornal "Público" com o título que se segue: "Rui Tavares no Parlamento: 'Meus caros brancos, a coisa mais inteligente que nós podemos fazer é odiar a nossa própria raça'."

A peça teria sido originalmente publicada a 23 de junho, às 14h51, a partir de um suposto texto da agência Lusa. Mais à frente ainda pode  ler-se: "O deputado sublinhou que o ódio dos brancos pela própria raça deve ser ensinado logo no ensino pré-primário de forma a combater o racismo." Nos comentários, repetem-se insultos a Rui Tavares.

Será verdade?

A resposta é negativa. Trata-se de informação falsa.

O Polígrafo pesquisou o site do jornal "Público" e não encontrou qualquer artigo publicado nos últimos meses com o título, informação ou sequer a mesma fotografia da notícia que tem sido partilhada nas redes sociais. Também não foi encontrado qualquer texto no site da agência Lusa. Além disso, no título da notícia em causa "Parlamento" foi escrito com minúscula quando o jornal usa sempre maiúscula quando se refere à Assembleia da República.

O Polígrafo contactou ainda Rui Tavares, que desmentiu categoricamente ter sido o autor da afirmação.

O deputado disse ainda que a primeira vez que viu a notícia falsa a circular no Twitter reparou num detalhe insólito: o tweet em causa é das 00h32 de dia 23 de junho mas o suposto artigo é das 14h51 do mesmo dia, ou seja, o tweet foi escrito com várias horas de antecedência.

Em suma, nem Rui Tavares proferiu tal declaração nem a notícia foi publicada pela agência Lusa e pelo jornal "Público".

Assine a Pinóquio

Fique a par dos nossos fact checks mais lidos com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Receba os nossos alertas

Subscreva as notificações do Polígrafo e receba os nossos fact checks no momento!

Em nome da verdade

Siga o Polígrafo nas redes sociais. Pesquise #jornalpoligrafo para encontrar as nossas publicações.
International Fact-Checking Network