“É uma forma para ajudar a tratar problemas respiratórios devido à inflamação e ao excesso de mucosidade nas vias respiratórias dos pulmões”. Esta é a definição de drenagem postural apresentada na publicação disseminada nas redes sociais e na qual se indica que esta técnica pode ser realizada recorrendo a objetos que já existem em casa, como um conjunto de toalhas ou uma cadeira. 

O autor do texto escreve ainda que a drenagem postural poderá ser usada caso as pessoas não conseguiam ter acesso a oxigénio nos hospitais ou não o possam comprar, numa referência aos problemas identificados nos hospitais de Manaus, na região brasileira de Amazonas, no combate à Covid-19. Em Portugal, até ao momento, não há casos de falta de oxigénio nos hospitais, como disse ao Polígrafo Tiago Alfaro, pneumologista e vice-presidente da Sociedade Portuguesa de Pneumologia (SPP): “Não tem havido referências à falta de oxigénio nos hospitais. Quando precisamos de tratar um doente com este auxílio, fazemo-lo sem problema.”

Mas será que a drenagem postural ajuda mesmo a aliviar os sintomas de covid-19?

 A técnica de drenagem de secreções aplicada a doentes Covid-19 é errada”, afirma Inês Sanches, coordenadora da comissão de reabilitação respiratória da SPP. 

 “A técnica de drenagem de secreções aplicada a doentes Covid-19 é errada”, afirma Inês Sanches, coordenadora da comissão de reabilitação respiratória da SPP. 

Ambos os especialistas ouvidos pelo Polígrafo consideram que há nesta publicação uma confusão entre dois conceitos médicos diferentes: drenagem postural e a proning position. “Em casos graves de Covid-19, em doentes que já estão ventilados e mesmo assim não estão a conseguir níveis de oxigénio adequados, aplica-se o que chamamos de proning position”, esclarece Tiago Alfaro.

O decúbito ventral - tradução em português – consiste em colocar o paciente de barriga para baixo com o objetivo de melhorar os níveis de oxigenação dos brônquios. “Permite ventilar zonas que não estariam ventiladas, mas não está relacionado com a expetoração. Tem a ver com a inflamação dos brônquios devido à Covid-19”, acrescenta Inês Sanches. 

A prática de proning position é utilizada em ambiente hospitalar, particularmente nos cuidados intensivos. Tiago Alfaro reconhece que esta técnica “só está indicada para pessoas que estão entubadas devido à Covid-19”, mas que “cada vez mais se tem usado em pacientes que estão acordados mas sob débito elevado de oxigénio”. Não há qualquer aconselhamento para realizar esta técnica em casa. “Quem está em casa – e nesse aspeto não tem uma doença tão grave – não tem indicação para recorrer a este método”, sublinha.

A prática de proning position é utilizada em ambiente hospitalar, particularmente nos cuidados intensivos. Tiago Alfaro reconhece que esta técnica “só está indicada para pessoas que estão entubadas devido à Covid-19”, mas que “cada vez mais se tem usado em pacientes que estão acordados mas sob débito elevado de oxigénio”.

Inês Sanchez explica igualmente que os profissionais de saúde “não estão a aconselhar aos doentes ligeiros que durmam de barriga para baixo em casa”. Estes poderão fazé-lo - “mal não faz dormir de barriga para baixo, não é?”, aponta a especialista - mas “não têm indicação terapêutica, da mesma maneira que não há estudos que mostrem que os resultados serão melhores”.

Já a drenagem postural junta a força gravítica e um conjunto de movimentos respiratórios para libertar a mucosa existente dos brônquios. É uma “técnica realmente muito antiga que era utilizada para a drenagem de secreções, para a pessoa poder expulsar a expetoração”, acrescenta a pneumologista.

“No entanto, já existem estudo que provam que esta posição agrava o refluxo do estômago e que alguns doentes não a toleram bem. Assim, começaram a surgir outras técnicas com mais efeito, mais eficácia e mais tolerância”, explica Inês Sanchez. Aliás, poderá ser por causa destes estudos que é referido na publicação que a drenagem postural não deve ser feita “com o estômago cheio”.

Atualmente esta prática deixou de ser recomendada pelos médicos e são aconselhados aos doentes com, por exemplo, infeções crónicas de bronquiectasias ou fibrose quística outros mecanismos de respiração.

Como os pneumologistas explicam, a drenagem postural não tem efeito no tratamento de sintomas relacionados com a Covid-19. “O conceito não é drenar secreções, é permitir que os brônquios que estão mais tapados possam respirar melhor e ajudar os níveis de oxigénio do doente a melhorarem. Ao confundirem estes processos stão a misturar conceitos porque geralmente o doente com Covid-19 não tem grandes secreções”, sublinha Inês Sanchez.

Como os pneumologistas explicam, a drenagem postural não tem efeito no tratamento de sintomas relacionados com a Covid-19. “O conceito não é drenar secreções, é permitir que os brônquios que estão mais tapados possam respirar melhor e ajudar os níveis de oxigénio do doente a melhorarem. Ao confundirem estes processos stão a misturar conceitos porque geralmente o doente com Covid-19 não tem grandes secreções”, sublinha Inês Sanchez.

A SPP reuniu um conjunto de técnicas e recomendações para reabilitação respiratória no domicílio com o objetivo de ajudar pacientes com doenças crónicas durante o tempo da pandemia. A drenagem postural não é referida em nenhum momento do documento: nem entre as técnicas para reduzir a falta de ar, nem entre os exercícios de drenagem de secreções.

__________________________

Nota editorial: este conteúdo foi selecionado pelo Polígrafo no âmbito de uma parceria de fact-checking (verificação de factos) com o Facebook, destinada a avaliar a veracidade das informações que circulam nessa rede social.

Na escala de avaliação do Facebookeste conteúdo é:

Falso: as principais alegações dos conteúdos são factualmente imprecisas; geralmente, esta opção corresponde às classificações "Falso" ou "Maioritariamente Falso" nos sites de verificadores de factos.

Na escala de avaliação do Polígrafoeste conteúdo é:

Siga-nos na sua rede favorita.
Falso
International Fact-Checking Network