O primeiro jornal português
de Fact-Checking

Documentos confidenciais da Pfizer provam que vacinas contra a Covid-19 contêm óxido de grafeno?

Sociedade
Este artigo tem mais de um ano
O que está em causa?
No pico da pandemia, quando as vacinas contra a Covid-19 estavam a ser desenvolvidas, surgiram as primeiras informações falsas sobre a presença de substâncias prejudiciais nas injeções. Durante meses defendeu-se que continham óxido de grafeno e agora, nas redes sociais, defende-se que há provas de que as vacinas de mRNA têm este composto. Será verdade?

Numa publicação no Facebook começa por se defender que o “óxido de grafeno é tóxico e mortal para o ser humano”. Alega-se que a Food and Drug Administration (FDA), a agência norte-americana responsável pela proteção da saúde pública, confirmou que “o óxido de grafeno está nas vacinas Covid-19 ‘mRNA’ depois de ser forçado a divulgar documentos confidenciais da Pfizer por ordem do Tribunal Federal dos EUA”.

A informação é verdadeira?

O grafeno e o seu derivado, o óxido de grafeno, são nanomateriais à base de carbono que têm sido objeto de várias teorias da conspiração desde abril de 2021. Já se defendeu que estavam presentes nos testes de PCR de deteção de Covid-19, bem como nas vacinas contra a doença.

Relativamente à alegação do post, também é falso que a Pfizer tenha reconhecido que as suas vacinas contra a Covid-19 contêm óxido de grafeno. A plataforma de verificação da AFP consultou um porta-voz da empresa farmacêutica em março de 2023, que afirmou por e-mail: “Confirmamos que o óxido de grafeno não é usado na fabricação da vacina Pfizer-BioNTech COVID-19; pode encontrar a lista completa de ingredientes aqui.” As informações sobre a composição das vacinas que fabrica também são divulgadas no site da Pfizer e não há sinal do grafeno.

A suposta declaração de Albert Bourla terá sido gravada durante a edição de 2022 do Fórum Económico Mundial, em Davos, na Suíça. "Reduziremos o número de pessoas no mundo em 50%", ouve-se dizer o presidente executivo da Pfizer, uma das empresas farmacêuticas que produziu vacinas contra a Covid-19. Verdadeiro ou falso?

Mas de onde surgiu a alegação a ser difundida nas redes sociais? As publicações apontam a presença do termo “óxido de grafeno” na página 7 do documento “Structural and biophysical Caracterization of peak glycoprotein SARS- CoV-2 (P2 S) as a Vaccine Antigen”. No entanto, especialistas explicaram à AFP que esta menção não tem relação com os componentes das vacinas, mas sim a uma técnica de estudo do vírus SARS-CoV-2.

O doutor uruguaio em ciências biológicas e virologista Santiago Mirazo esclareceu à agência noticiosa que neste fragmento específico o que o documento detalha é uma metodologia amplamente utilizada na biologia, biofísica e bioquímica: a crio-eletromicroscopia. “Nesse caso, foi aplicada para determinar a estrutura da proteína S, ou spike que permite que o SARS-CoV-2 adira e entre numa célula hospedeira”, explica-se no artigo.

_________________________

Avaliação do Polígrafo:

Partilhe este artigo
Facebook
Twitter
WhatsApp
LinkedIn

Relacionados

Em destaque