"Portugal supera os 743 mil milhões de dívida", salienta-se no post de 18 de março no Facebook, com uma imagem do primeiro-ministro António Costa e do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

"Também é um acontecimento histórico", comenta-se.

No dia 18 de março de 2021, o Banco de Portugal (BdP) emitiu uma nota de informação estatística, na qual apresenta as estatísticas do endividamento do setor não financeiro (posições em final de período e taxas de variação anual, respetivamente) relativas a janeiro de 2021.

Segundo informa o BdP, "em janeiro de 2021, o endividamento do setor não financeiro situou-se em 743,7 mil milhões de euros, dos quais 341,6 mil milhões de euros respeitavam ao setor público e 402,0 mil milhões de euros ao setor privado".

"Relativamente a dezembro de 2020, o endividamento do setor não financeiro diminuiu 2,1 mil milhões de euros. Esta diminuição deveu-se à redução de 0,9 mil milhões de euros do endividamento do setor público e de 1,2 mil milhões de euros do endividamento do setor privado (Gráfico 1). A redução do endividamento do setor público refletiu-se, sobretudo, no decréscimo do endividamento face ao setor financeiro (1,1 mil milhões de euros) e às próprias administrações públicas (0,5 mil milhões de euros). Estes decréscimos foram parcialmente compensados pelo aumento do endividamento face ao exterior (0,5 mil milhões de euros) (Gráfico 2)", lê-se no documento.

"No setor privado, destaca-se o endividamento das empresas, o qual diminuiu 1,3 mil milhões de euros. Esta diminuição reflete sobretudo a redução do endividamento face ao exterior (0,9 mil milhões de euros) e face ao setor financeiro (0,2 mil milhões de euros). Em janeiro de 2021, a taxa de variação anual (tva) do endividamento total das empresas privadas foi de 1,2%, menos 0,4 pontos percentuais (pp) do que o verificado no mês anterior. A tva do endividamento total dos particulares diminuiu 0,1 pp, para 1,6%", acrescenta-se.

Ou seja, o endividamento do setor não financeiro, em janeiro de 2021, alcançou um valor de 743,7 mil milhões de euros. Mas o endividamento do setor não financeiro engloba particulares, empresas privadas e Estado (setor público não financeiro). Não se trata apenas de dívida pública, ao contrário do que se sugere (implítica e erradamente) na publicação sob análise.

No que respeita à dívida pública, os dados mais recentes do BdP estão plasmados em outra nota de informação estatística que foi emitida no dia 1 de março de 2021.

"Em janeiro de 2021, a dívida pública situou-se em 269,8 mil milhões de euros (Gráfico 1), diminuindo 0,6 mil milhões de euros face ao mês anterior. Esta diminuição refletiu essencialmente amortizações de títulos de dívida, no valor de 0,3 mil milhões de euros, e a redução de responsabilidades em depósitos no valor de 0,2 mil milhões (Gráfico 2)", apurou o BdP.

"Os depósitos das administrações públicas diminuíram 0,7 mil milhões de euros. A dívida pública líquida de depósitos aumentou 0,1 mil milhões de euros em relação ao mês anterior, para 246,6 mil milhões de euros", conclui-se.

__________________________________________

Nota editorial: este conteúdo foi selecionado pelo Polígrafo no âmbito de uma parceria de fact-checking (verificação de factos) com o Facebook, destinada a avaliar a veracidade das informações que circulam nessa rede social.

Na escala de avaliação do Facebookeste conteúdo é:

Falta de contexto: conteúdos que podem ser enganadores sem contexto adicional.

Na escala de avaliação do Polígrafoeste conteúdo é:

Siga-nos na sua rede favorita.
Descontextualizado
International Fact-Checking Network