"Se for alguma vez forçado por um ladrão a retirar dinheiro da caixa de multibanco, pode avisar a polícia imediatamente, digitando a sua senha ao contrário. Por exemplo, se a sua senha for 1234, então digite 4321. A máquina reconhece que a sua senha está invertida de acordo com o cartão que acabou de inserir. A máquina, de qualquer maneira, dar-lhe-á o dinheiro mas, para desconhecimento do ladrão, a polícia será imediatamente acionada/enviada para o/a ajudar", descreve-se na publicação, datada de 2012, mas que voltou recentemente a ser propagada nas redes sociais.

Será verdade?

A resposta é não. Questionada pelo Polígrafo, a Sociedade Interbancária de Serviços (SIBS) indica que as "informações são falsas" e que "a referida técnica, de introdução do PIN 'invertido', não funciona na Rede de Caixas Automáticos Multibanco". Mais, a SIBS informa igualmente que "não tem informação sobre a implementação desta técnica em qualquer país europeu ou de qualquer outro continente".

A entidade recorda a necessidade de cumprir algumas regras de utilização da rede multibanco para evitar burlas. Não fornecer a ninguém o PIN do cartão bancário, que deverá ser memorizado pelo seu utilizador, é uma das principais medidas. É também aconselhado que se verifique de forma regular os movimentos efetuados com o cartão e, caso se detetem irregularidades, se contacte de imediato a entidade bancária.

  • "Alerta do Banco do Portugal" sobre fraude para copiar cartão multibanco e PIN é autêntico?

    A mensagem que está a ser partilhada nas redes sociais denuncia um suposto esquema de fraude bancária, em que a banda magnética do cartão multibanco e o PIN utilizado para autorizar a transação são duplicados por uma máquina igual às de multibanco. A fonte da informação é supostamente uma técnica superior da Direção-Geral do Consumidor. Verdade ou falsidade?

Também no site do Banco de Portugal (BdP) são apresentadas algumas sugestões para evitar fraudes com cartões bancários. O banco central aconselha que não se use o terminal caso este aparente ter sido alterado ou se estiver danificado - sobretudo na ranhura onde se insere o cartão. Além disso, se o utente pensar que está a ser vítima de tentativa de fraude, não deve aceitar a ajuda de terceiros para recuperar o cartão.

Caso o cartão fique retido no ATM, será logo revelado o motivo da captura.  Se isso não acontecer ou a justificação suscitar dúvidas, adverte o BdP, deve notificar-se imediatamente o banco. "Alguém pode ter manipulado o terminal com o objetivo de impedir que o cartão saia e, mais tarde, apropriar-se indevidamente do mesmo", alerta-se.

___________________________________

Nota editorial: este conteúdo foi selecionado pelo Polígrafo no âmbito de uma parceria de fact-checking (verificação de factos) com o Facebook, destinada a avaliar a veracidade das informações que circulam nessa rede social.

Na escala de avaliação do Facebook, este conteúdo é:

Falso: as principais alegações dos conteúdos são factualmente imprecisas; geralmente, esta opção corresponde às classificações "Falso" ou "Maioritariamente Falso" nos sites de verificadores de factos.

Na escala de avaliação do Polígrafo, este conteúdo é:

Assina a Pinóquio

Fica a par de todos os fact-checks com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Recebe os nossos alertas

Subscreve as notificações do Polígrafo e recebe todos os nossos fact-checks no momento!

Em nome da verdade

Segue o Polígrafo nas redes sociais. Pesquisa #jornalpoligrafo para encontrares as nossas publicações.
Falso
International Fact-Checking Network