"Além de cuspirem em cima da nacionalidade, vendendo-a por 40 moedas ou mesmo oferecendo-a a quem não fez nada para a merecer e nem precisa de falar português, agora a Iniciativa Liberal deseja que o país seja governado por um duplo-nacional? Que servirá a quem!? Quem tem dupla ou tripla nacionalidade vai governar ao serviço de quem!? Crime de lesa-pátria". A denúncia partiu de Pedro dos Santos Frazão, deputado do Chega, no Facebook, em publicação datada de 13 de novembro.

De facto, no âmbito da mais recente iniciativa de revisão constitucional, o partido Iniciativa Liberal quer alterar 35 dos 296 artigos da Lei Fundamental e também o preâmbulo, do qual os liberais querem arrancar a expressão "abrir caminho para uma sociedade socialista" e acrescentar o termo "liberal" à democracia.

De acordo com o projeto de revisão constitucional dos liberais: "No que concerne a Parte III da Constituição, relativa à organização do poder político, estendemos o princípio de não discriminação aos critérios de elegibilidade para o cargo de Presidente da República, pois consideramos que não devem ser feitas distinções entre nacionalidade originária ou posteriormente adquirida."

Assim, o partido liderado por João Cotrim de Figueiredo (em processo de sucessão) propõe altear o Artigo 122.º, sobre a elegibilidade do Presidente da República, passando a permitir que "todos os cidadãos eleitores de nacionalidade portuguesa, maiores de 35 anos" possam candidatar-se.

  • Ventura critica nomeados do Governo mas um terço dos deputados do Chega não tem licenciatura?

    É mais uma denúncia da suposta incoerência do partido liderado por André Ventura, que criticou o Governo por contratar um jovem recém-licenciado para o gabinete da ministra da Presidência sem que este tivesse qualquer experiência profissional. No Chega, contudo, pelo menos quatro dos 12 deputados eleitos não têm sequer uma licenciatura concluída, acusa-se nas redes sociais.

À data, o Polígrafo confirmou junto de fonte oficial do partido que "a moção apresentada e aprovada na VI Convenção Nacional do Iniciativa Liberal" recomendava "à Comissão Executiva do Iniciativa Liberal que, na próxima revisão da Constituição da República Portuguesa", o partido propusesse que o Artigo 122.º da Constituição da República Portuguesa passe a ter a seguinte redação: "São elegíveis os cidadãos eleitores, portugueses, maiores de 35 anos".

Dito e feito. Presentemente, no Artigo 122.º, sobre o estatuto e eleição do Presidente da República, estabelece-se que "são elegíveis os cidadãos eleitores, portugueses de origem, maiores de 35 anos". A moção aprovada na Convenção de 2021 - em que participaram 1.100 membros do partido, de um universo de cerca de 4.000 membros, alguns dos quais com dupla nacionalidade (brasileiros, cubanos, moldavos e franceses) - entende que "esta restrição impede, por exemplo, crianças nascidas no estrangeiro e de pais estrangeiros, mas que, ainda crianças, tenham adquirido a nacionalidade portuguesa e aqui vivido toda a sua infância (...) de se candidatarem a Presidente da República".

"Esta referência a portugueses de origem não existe para mais nenhum cargo político contemplado na Constituição da República Portuguesa. Não há portugueses mais ou menos portugueses que outros e a Constituição da República Portuguesa não devia fazer essa distinção", argumenta-se no documento a que o Polígrafo teve acesso.

___________________________

Avaliação do Polígrafo:

Assine a Pinóquio

Fique a par dos nossos fact checks mais lidos com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Receba os nossos alertas

Subscreva as notificações do Polígrafo e receba os nossos fact checks no momento!

Em nome da verdade

Siga o Polígrafo nas redes sociais. Pesquise #jornalpoligrafo para encontrar as nossas publicações.
Verdadeiro
International Fact-Checking Network