"Departamento de Defesa dos EUA concedeu contrato para 'investigação da Covid-19' na Ucrânia três meses antes de se saber sequer da existência da Covid-19". Este é o título do artigo, publicado no site "The Exposé" a 13 de abril, que está a ser partilhado nas redes sociais, com especial incidência em grupos que se dedicaram a propagar desinformação sobre a pandemia e agora estão a virar-se para a difusão de propaganda da Rússia, no contexto da guerra em curso na Ucrânia.

No texto do artigo recorda-se que "o mundo começou a ouvir falar sobre um novo coronavírus no início de janeiro de 2022, com relatos de uma alegada nova doença parecida com pneumonia a propagar-se em Wuhan, China. No entanto, o mundo não soube de facto da existência da Covid-19 até fevereiro de 2020, porque foi ao 11.º dia desse mês que a Organização Mundial da Saúde (OMS) denominou oficialmente a doença do novo coronavírus como Covid-19".

"Sendo esta a verdade oficial", prossegue-se no texto, "porque é que os dados do Governo dos EUA mostram que o Departamento de Defesa concedeu um contrato no dia 12 de novembro de 2019 à Labyrinth Global Health Inc. para 'investigação da Covid-19', pelo menos um mês antes da alegada emergência do novo coronavírus, e três meses antes da denominação oficial da doença como Covid-19?"

"As revelações chocantes não ficam contudo por aqui", sublinha-se. "O contrato firmado em novembro de 2019 para 'investigação da Covid-19' (…) fazia parte de um contrato muito mais extenso no âmbito de um 'programa de redução de ameaça biológica na Ucrânia'".

É verdade que o referido contrato está registado na base de dados "USASpending.gov" (pode consultar aqui). Trata-se de um contrato com a empresa Black & Veatch, no qual se integra um subcontrato com a Labyrinth Global Health Inc., datado de 12 de novembro de 2019, com a seguinte descrição: "SME [Especialista na Matéria] Documentação Manuscrita e Investigação da Covid-19".

No entanto, tal como apurou entretanto a "Lead Stories", esse subcontrato foi modificado meses depois para incluir a investigação da Covid-19.

"Não, o Departamento de Defesa não concedeu um contrato em 2019 para investigação da Covid-19", esclareceu fonte oficial do Departamento de Defesa dos EUA em resposta à "Lead Stories". O que aconteceu foi que, "neste caso, o adjudicatário modificou uma ordem de tarefa em junho de 2020 para auxiliar a Ucrânia na resposta à pandemia de Covid-19, muitos meses depois de a pandemia ter começado. No entanto, a data na base de dados corresponde à data original em que o Contrato de Serviço Principal foi introduzido no sistema".

De resto, o Departamento de Defesa dos EUA sublinha que a informação registada na plataforma "USASpending.gov" corresponde ao Contrato de Serviço Principal, mas pode ser modificada ao longo do tempo "para responder melhor a questões emergentes através de contratos em curso". Aliás, os adjudicatários celebram frequentemente subcontratos no âmbito da ordem de tarefa que "também pode ser modificada ou corrigida".

"A data de cada modificação não está indicada na página 'USASpending.gov', que mantém a data original em que o Contrato de Serviço Principal foi introduzido no sistema", conclui o Departamento de Defesa dos EUA.

Trata-se portanto de um equívoco.

________________________________

Avaliação do Polígrafo:

Assine a Pinóquio

Fique a par dos nossos fact checks mais lidos com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Receba os nossos alertas

Subscreva as notificações do Polígrafo e receba os nossos fact checks no momento!

Em nome da verdade

Siga o Polígrafo nas redes sociais. Pesquise #jornalpoligrafo para encontrar as nossas publicações.
Falso
International Fact-Checking Network