"Para sua segurança recomendamos que não entre se for do grupo de risco", pode ler-se num cartaz atribuído à marca de desporto Decathlon, partilhado em Portugal na rede social Facebook. Mais abaixo especificam-se aqueles que seriam considerados como pertencentes a "grupo de risco", ainda que algumas das palavras não estejam visíveis. São elas: "obeso", "hipertenso" e "funcionário de saúde".

A imagem partilhada no Facebook...

Mas será verdade?

O cartaz é autêntico mas a situação não se passou em Portugal. Em nota enviada ao Polígrafo, fonte oficial da Decathlon explica que se tratou "de um ato isolado numa loja no Brasil, resultante de uma ação local e totalmente desfasada das linhas orientadoras da Decathlon Brasil e Decathlon United. Foi uma comunicação insensata e que não representa, nem está em linha, com a missão e os valores da Decathlon. A Decathlon Brasil emitiu, prontamente, um comunicado nas redes sociais a pedir desculpa pelo sucedido."

"Apesar de não ser uma situação ligada às lojas portuguesas, a Decathlon Portugal lamenta profundamente a situação e eventuais incómodos que tenham sido causados a todas as pessoas que se sentiram visadas. Repudiamos qualquer tipo de discriminação e reconhecemos o papel fundamental dos profissionais de saúde que, diariamente, lutam, correm riscos, cuidando de todos nós com a sua força incansável. Todas as pessoas são bem-vindas nas nossas lojas", acrescenta a conhecida marca.

...e o cartaz original, onde estão bem visíveis os "grupos de risco" identificados pela Decathlon: acima de 60 anos, fumadores, doentes crónicos, hipertensos e profissionais de saúde

Numa outra imagem partilhada nas redes sociais é possível ler o texto completo: "Para sua segurança recomendamos que não entre se for do grupo de risco: acima de 60 anos, fumante, doente crónico, obeso, hipertenso, funcionário de saúde". A palavra "fumante" suscita desde logo dúvidas, uma vez que é um vocábulo oriundo do Brasil.

No dia 15 de junho, a Decathlon Brasil fez um comunicado nas redes sociais a pedir desculpas pelo sucedido: "Identificamos hoje pela manhã um comunicado insensato na porta de uma de nossas unidades. Assim que tomamos conhecimento, essa mensagem foi retirada imediatamente. Tratou-se de um ato isolado, decorrente de um erro da loja que não estava autorizada a criar comunicação em nome da empresa e que não condiz com a missão e os valores da Decathlon. Lamentamos profundamente os danos causados a todas as pessoas que se sentiram ofendidas por essa comunicação infeliz."

Em suma, apesar de o episódio em causa ter de facto ocorrido, não foi em nenhuma loja portuguesa nem essa é a posição oficial da empresa. A situação ocorreu no Brasil e a Decathlon apresentou publicamente as suas desculpas.

________________

Nota editorial: este conteúdo foi selecionado pelo Polígrafo no âmbito de uma parceria de fact-checking (verificação de factos) com o Facebook, destinada a avaliar a veracidade das informações que circulam nessa rede social.

Na escala de avaliação do Facebookeste conteúdo é:

Falso: as principais alegações dos conteúdos são factualmente imprecisas; geralmente, esta opção corresponde às classificações "Falso" ou "Maioritariamente Falso" nos sites de verificadores de factos.

Na escala de avaliação do Polígrafoeste conteúdo é:

Notificações

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.
Falso
International Fact-Checking Network