O primeiro jornal português
de Fact-Checking

Debates Europeias. UE27 tem menos emissões do que a Indonésia e é o espaço mundial onde há menos emissões de dióxido de carbono, como diz Tânger Corrêa? (Atualizado)

União Europeia
O que está em causa?
Três dados, três falsidades: António Tânger Corrêa errou ao falar sobre as emissões de CO2 no debate desta tarde na rádio Observador. Quando tentou clarificar os seus indicadores, errou de novo.
© Agência Lusa / António Cotrim

Numa intervenção extra – que António Tânger Corrêa decidiu acrescentar ao debate desta tarde na rádio Observador com o cabeça de lista do PAN, Pedro Fidalgo Marques -, o vice-presidente do Chega disse não uma, não duas, mas três mentiras seguidas sobre as emissões de carbono. Mesmo com o seu próprio indicador – “populações per capita” – Tânger Corrêa está errado.

Eis o que disse, quando interrompeu Fidalgo Marques: “Para já, as emissões carbónicas na Europa dos 27 países da UE são inferiores às da Indonésia só. Ou seja, os países que fazem emissões significativas de CO2 para a atmosfera são todos fora da europa comunitária. É a Rússia, a China, os Estados Unidos, as Filipinas, a Indonésia… Nós somos o espaço mundial onde há menos emissões de carbono.”

“Isso é mentira“, ripostou o candidato do PAN, “somos o terceiro bloco mundial com mais emissões”.

“Não, não é [mentira]. ‘Bloco’. Eu estou a dizer em termos de países. Se contar as ‘populações per capita’ (sic) nós estamos muito em baixo”, reiterou o candidato do Chega. Mas é falso, como, aliás, todos os dados sobre as emissões que referiu antes.

  1. “As emissões carbónicas na Europa dos 27 países da UE são inferiores às da Indonésia só”

Segundo os dados mais recentes do “Wordlometer“, cada pessoa na Indonésia emite 2.02 toneladas de CO2 por ano. O país emitiu 530 milhões de toneladas de CO2 em 2016. Já a União Europeia emitiu 3,1 mil milhões de toneladas de CO2 no mesmo ano (dados do “Our World In Data“). Per capita, a emissão foi, também em 2016, de 6.16 toneladas.

2. “Os países que fazem emissões significativas de CO2 para a atmosfera são todos fora da Europa comunitária”

A Estónia, na União Europeia desde 2004, é o 13.º país do mundo que mais emite CO2 per capita. Além disso, está acima de todos os países mencionados por Tânger Corrêa: Rússia, China, os Estados Unidos, Filipinas e Indonésia.

3. “Nós somos o espaço mundial onde há menos emissões de carbono”

É ainda falso que a UE27 seja a região com menos emissões de CO2. Na verdade, as emissões da UE até são superiores à média mundial e ainda à média per capita da América Latina, da África Subsariana e do sul da Ásia.

______________________________

Nota Editorial: Depois da publicação deste artigo, o Chega enviou ao Polígrafo um esclarecimento sobre este tópico, onde se refere que Tânger Corrêa se baseava em dados sobre as emissões de greenhouse gas. O Polígrafo confirma que, com recurso a esse indicador, alguns dos dados mencionados pelo candidato estariam corretos. No entanto, não podemos deixar de notar que, na sua intervenção, Tânger Corrêa se refere especificamente às emissões de CO2, que são apenas uma parte das emissões de greenhouse gas. Por esse motivo, deixamos em nota a fonte utilizada pelo candidato do Chega, mas não há lugar a mudança de avaliação.

_______________________________

UE

Este artigo foi desenvolvido pelo Polígrafo no âmbito do projeto “EUROPA”. O projeto foi cofinanciado pela União Europeia no âmbito do programa de subvenções do Parlamento Europeu no domínio da comunicação. O Parlamento Europeu não foi associado à sua preparação e não é de modo algum responsável pelos dados, informações ou pontos de vista expressos no contexto do projeto, nem está por eles vinculado, cabendo a responsabilidade dos mesmos, nos termos do direito aplicável, unicamente aos autores, às pessoas entrevistadas, aos editores ou aos difusores do programa. O Parlamento Europeu não pode, além disso, ser considerado responsável pelos prejuízos, diretos ou indiretos, que a realização do projeto possa causar.

_______________________________

Avaliação do Polígrafo:

Partilhe este artigo
Facebook
Twitter
WhatsApp
LinkedIn

Relacionados

Em destaque