O primeiro jornal português
de Fact-Checking

Debates Europeias. João Oliveira: “Manifesto eleitoral do Iniciativa Liberal não tem rigorosamente nada sobre salários”

Política
O que está em causa?
No debate de hoje na rádio "Observador", João Cotrim de Figueiredo admitiu que o Manifesto eleitoral do Iniciativa Liberal não tem qualquer referência sobre "habitação". Ao que o adversário João Oliveira, candidato da CDU, acrescentou outra ausência: "Não tem rigorosamente nada sobre salários." Confirma-se?
© Agência Lusa / Rodrigo Antunes

Confrontado com a ausência da palavra “habitação” no Manifesto do Iniciativa Liberal referente às eleições para o Parlamento Europeu, no debate desta manhã na rádio “Observador”, o candidato João Cotrim de Figueiredo justificou que se trata de uma “competência sobretudo nacional”. De qualquer modo aproveitou para “dar uma novidade em primeira mão”, assumindo que “nós não somos contrários à participação pública no mercado da habitação, no sentido em que temos uma percentagem muito baixa de habitação pública”.

Ao tomar a palavra minutos depois, o adversário João Oliveira, da CDU, fez questão de “registar esse acrescento que foi feito agora ao compromisso eleitoral do Iniciativa Liberal” e desafiou Cotrim de Figueiredo a “dizer também alguma coisa sobre salários, que é uma matéria sobre a qual também não encontramos rigorosamente nada no compromisso do Iniciativa Liberal”.

Esta alegação tem fundamento?

De facto, no “Manifesto Europa Liberal / Europeias 2024” (pode consultar aqui) não há qualquer referência às palavras “habitação” e “salários”.

Mas importa ter em atenção que o Manifesto consiste numa síntese de princípios gerais em apenas nove páginas. Ou seja, não se trata propriamente de um programa eleitoral repleto de propostas de medidas concretas, na medida em que são eleições para o Parlamento Europeu e não legislativas para a Assembleia da República.

Por outro lado, ao defender o princípio de “prosperidade”, o Manifesto do Iniciativa Liberal pugna por “uma Europa geradora de oportunidades para todos, onde seja possível oferecer bons empregos, e manter baixo custo de vida”.

Noutro ponto do documento salienta-se que “uma Europa mais liberal (…) resultará em melhor emprego“, o que também implica (de forma implícita) melhores salários.

Em suma, apesar destes elementos de contextualização, o que Oliveira disse não deixa de ser verdadeiro.

_______________________________

UE

Este artigo foi desenvolvido pelo Polígrafo no âmbito do projeto “EUROPA”. O projeto foi cofinanciado pela União Europeia no âmbito do programa de subvenções do Parlamento Europeu no domínio da comunicação. O Parlamento Europeu não foi associado à sua preparação e não é de modo algum responsável pelos dados, informações ou pontos de vista expressos no contexto do projeto, nem está por eles vinculado, cabendo a responsabilidade dos mesmos, nos termos do direito aplicável, unicamente aos autores, às pessoas entrevistadas, aos editores ou aos difusores do programa. O Parlamento Europeu não pode, além disso, ser considerado responsável pelos prejuízos, diretos ou indiretos, que a realização do projeto possa causar.

_______________________________

Avaliação do Polígrafo:

Partilhe este artigo
Facebook
Twitter
WhatsApp
LinkedIn

Relacionados

Em destaque