Esta terça-feira, na TVI, Fernando Medina, Presidente da Câmara Municipal de Lisboa (CML) e candidato pela coligação "Mais Lisboa", e Carlos Moedas, candidato pela coligação "Novos Tempos", estiveram em debate. Um dos momentos de maior tensão entre os oponentes teve a ver com as palavras alegadamente proferidas por Carlos Moedas quando foi tornado público o caso do envio dos dados dos manifestantes anti-Putin, por parte da CML, à embaixada da Rússia.

"O Carlos Moedas (...) começou por me atacar dizendo que eu agia ao serviço de Putin. Está escrito. Quer ouvir a gravação? O Carlos Moedas tem uma característica, já se percebeu, que é a tentativa de ser camaleão. Diz a coisa num sítio, vira a cor para dizer outra no outro. Acusou-me de ser cúmplice de Putin", criticou Fernando Medina.

Ao mesmo tempo que Medina se lamentava, Carlos Moedas repetia: "Isso não é verdade."

  • Câmara de Lisboa enviou dados de manifestantes pró-Palestina à Embaixada de Israel em 2019?

    No dia 9 de junho foi noticiado que a Câmara Municipal de Lisboa (CML) enviou dados de manifestantes anti-Putin à Embaixada da Rússia em janeiro de 2021, levando o presidente Fernando Medina, no dia seguinte, a pedir desculpa pelo "erro lamentável". Entretanto, nas redes sociais está a ser partilhada uma notícia de 2019 que relatava um episódio similar envolvendo manifestantes pró-Palestina.

O social-democrata afirmou ou não que Medina estava ao serviço de Putin?

No dia 9 de junho de 2021, num comunicado citado pelo Observador, Carlos Moedas sublinhou que "um país democrático e da UE [União Europeia] não pode ter um Presidente da Câmara da capital que é cúmplice de uma ditadura como a de Putin", referiu o candidato da coligação "Novos Tempos". Moedas pediu ainda que "a confirmar-se, Fernando Medina só tem uma saída: a demissão".

Debate Medina vs Moedas

Em declarações ao mesmo jornal, Moedas também disse que estávamos perante "um erro técnico", mas também perante "um erro político e o Presidente da Câmara tem de assumir esse erro político. A incapacidade e a falta de gestão tem de ter consequências políticas". "Se não assumir a responsabilidade política é porque é um político que não consegue assumir os seus erros", concluiu.

Conclui-se que Fernando Medina extrapolou as palavras de Carlos Moedas. O candidato da coligação "Novos Tempos" não disse diretamente que Medina está ao serviço de Putin. O que afirmou foi que o Presidente da Câmara de Lisboa não pode ser "cúmplice de uma ditadura como a de Putin".

________________________________________

Avaliação do Polígrafo:

Siga-nos na sua rede favorita.
Descontextualizado
International Fact-Checking Network