Amigos na corrupção, inimigos na aplicação: Paulo Raimundo e André Ventura protagonizaram esta noite um debate de ideias e propostas semelhantes, mas com teorias e práticas distintas. No que toca à corrupção, por exemplo, o líder do Chega disse não compreender o porquê de o PCP afirmar que "o grande foco da corrupção em Portugal são as privatizações".

Isto porque, sustentou Ventura, "a corrupção está instalada em Portugal dos mais baixos aos mais altos escalões, seja de empresas públicas seja de empresas privadas". Mais tarde, porém, os argumentos afinavam: "Há um estudo, que é 'O Estado da Corrupção em Portugal' e que até diz que o grande foco da corrupção em Portugal está na administração local." Confirma-se?

De facto, o último relatório do Conselho de Prevenção da Corrupção (CPC) revela que, em 2022 ano, "mais de metade das comunicações se associam a entidades do universo da Administração Local (58%), seguindo-se a s entidades da Administração Central (29%), as entidades com exercício de funções públicas delegadas (11%) e, em menor número, as entidades das estruturas administrativas regionais dos Açores e Madeira (4%)".

"Quanto aos principais tipos de crime associadas às comunicações apresentadas ao CPC, eles são a Corrupção, o Abuso de Poder, o Peculato associado ao Peculato de uso, a Prevaricação, e a Participação económica em negócio", especifica o documento.

_______________________________

Avaliação do Polígrafo:

Assine a Pinóquio

Fique a par dos nossos fact checks mais lidos com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Receba os nossos alertas

Subscreva as notificações do Polígrafo e receba os nossos fact checks no momento!

Em nome da verdade

Siga o Polígrafo nas redes sociais. Pesquise #jornalpoligrafo para encontrar as nossas publicações.