O primeiro jornal português
de Fact-Checking

Cristiano Ronaldo recusou cumprimentar o Presidente de Israel por ser “a favor dos muçulmanos”?

Desporto
Este artigo tem mais de um ano
O que está em causa?
Num vídeo que se tornou viral na rede social TikTok, alega-se que Cristiano Ronaldo recusou cumprimentar o Presidente israelita. O motivo, segundo o autor da publicação, é o facto de o futebolista português ser "a favor dos muçulmanos". É verdade?

O TikTok foi a rede social escolhida para partilhar um vídeo em que aparece Cristiano Ronaldo a evitar cumprimentar algumas pessoas, no que aparentam ser os festejos de uma conquista futebolística.

Na legenda está escrito que “Cristiano Ronaldo não cumprimentou o Presidente de Israel porque apoia os muçulmanos“. A publicação data de 13 de maio e remete para o conflito entre Israel e a Palestina que se agravou na última semana.

É verdade que o futebolista português recusou saudar o Chefe de Estado israelita?

O vídeo não é recente, foi partilhado no Youtube a 20 de dezembro de 2014. Por um lado, é possível verificar que Cristiano Ronaldo tem vestida a camisola do Real Madrid, clube que deixou em 2018 para representar a Juventus FC; por outro lado, nas imagens estão também Carlo Ancelotti, treinador que representou o Real Madrid entre 2013 e 2015, e Joseph Blatter, Presidente da FIFA entre 1998 e 2015.

Assim, o vídeo em análise foi captado no Campeonato do Mundo de Clubes da FIFA em 2014. O torneio que junta os campeões de cada confederação continental foi conquistado, nesse ano, pelo Real Madrid, e foi disputado em Marrocos, no mês de dezembro.

Nas imagens, Cristiano Ronaldo aparece atrás de Carlo Ancelotti na fila dos cumprimentos. A primeira pessoa que o jogador português cumprimenta é Joseph Blatter, seguido de um abraço a Florentino Pérez, presidente do clube espanhol desde 2000 (com um interregno entre 2006 e 2009).

Depois desses cumprimentos, Ronaldo ultrapassa Ancelotti sem estender a mão a Michel Platini, antigo futebolista francês e presidente da UEFA entre 2007 e 2015, e a uma outra pessoa que também não é Reuven Rivlin, Chefe de Estado israelita, eleito em 2014. Nessa altura, a relação entre Cristiano Ronaldo e Michel Platini não vivia um bom momento, devido às  preferências do francês para o prémio de melhor jogador do mundo. O momento foi muito noticiado em todo o mundo (pode ver aqui e aqui).

Várias páginas na Internet, publicações nas redes sociais e até meios de comunicação social noticiaram que Cristiano Ronaldo terá doado 1,5 milhões de dólares à Palestina. Verdade ou falsidade?

Não é a primeira vez que o jogador português é identificado na Internet como sendo contra Israel ou anti-semita. Por exemplo, em 2016, numa altura em que vários incêndios de grandes dimensões causaram mortes, feridos e muitos estragos na ilha da Madeira, Cristiano Ronaldo mostrou, durante uma partida pelo Real Madrid, a palavra “Madeira” na camisola interior, de forma a homenagear a sua terra natal. Contudo, nas redes sociais foi partilhada uma imagem manipulada onde se lia “Salvem a Palestina”.

Também em 2016, Cristiano Ronaldo fez um anúncio publicitário para uma operadora de telecomunicações de Israel. Após a partilha nas próprias redes sociais, vários fãs palestinianos mostraram-se desapontados com o internacional português.

Em 2019, o Polígrafo analisou outra publicação que garantia que Cristiano Ronaldo tinha doado 1,5 milhões de dólares à Palestina. Novamente, o conteúdo era falso.

Em suma, o vídeo não é atual, data de dezembro de 2014, e também é falso que mostre Cristiano Ronaldo a recusar cumprimentar o Presidente de Israel.

__________________________________________

Avaliação do Polígrafo:

Partilhe este artigo
Facebook
Twitter
WhatsApp
LinkedIn

Relacionados

Em destaque