"Toda a verdade porque o mainstream dominado pelos socialistas nunca diz o que realmente reflete os danos do Covid-19: mortos por número de habitantes! Mas aos burros interessa é só falar do total absoluto do Brasil (dados de hoje, 9 de abril de 2021)", lê-se no post de 9 de abril no Facebook.

Em imagem associada surge uma tabela com os 19 países do mundo que registam mais mortes acumuladas por Covid-19 em proporção da população. De acordo com esses dados, Portugal está na 15ª posição, com 1.661 mortes por cada milhão de habitantes, acima do Brasil (na 18ª posição) que tem 1.616 mortes por cada milhão de habitantes.

Esta publicação foi denunciada como fake news. Confirma-se?

Consultando os dados compilados no portal "Worldometer", até ao dia 13 de abril, de facto, Portugal continua a registar mais mortes acumuladas por milhão de habitantes do que o Brasil.

Numa tabela liderada por Gibraltar (2.791 mortes), República Checa (2.614 mortes), San Marino (2.530 mortes) e Hungria (2.487 mortes), Portugal destaca-se na 15ª posição com 1.663 mortes por cada milhão de habitantes (total de 16.918 mortes por Covid-19), ao passo que o Brasil está na 16ª posição com 1.661 mortes por cada milhão de habitantes (total de 355.031 mortes por Covid-19).

Importa contudo ressalvar que a presente diferença neste indicador entre Portugal e Brasil é residual.

Mais, os números no Brasil estão a aumentar substancialmente - entre um mínimo de 1.233 e máximo de 4.211 novas mortes por dia em abril -, ao passo que a situação pandémica em Portugal está numa fase de menor mortalidade - quase sempre abaixo de 10 mortes por dia em abril -, após o pico de janeiro/fevereiro em que chegou a registar mais de 300 mortes num dia.

De resto, analisando os dados compilados no portal "Our World in Data", até ao dia 12 de abril, verifica-se que o Brasil está em trajetória ascendente e já terá mesmo ultrapassado Portugal no número de mortes por cada milhão de habitantes.

Na medida em que o post sob análise remete para o "Worldometer", porém, classificamos a alegação como verdadeira. Mas há que ter em conta que, a manter-se a tendência das últimas semanas, o Brasil vai ultrapassar e distanciar-se de Portugal neste indicador.

__________________________________________

Nota editorial: este conteúdo foi selecionado pelo Polígrafo no âmbito de uma parceria de fact-checking (verificação de factos) com o Facebook, destinada a avaliar a veracidade das informações que circulam nessa rede social.

Na escala de avaliação do Facebookeste conteúdo é:

Verdadeiro: as principais alegações do conteúdo são factualmente precisas; geralmente, esta opção corresponde às classificações "Verdadeiro" ou "Maioritariamente Verdadeiro" nos sites de verificadores de factos.

Na escala de avaliação do Polígrafoeste conteúdo é:

Siga-nos na sua rede favorita.
Verdadeiro, mas...
International Fact-Checking Network