De acordo com os dados da Direção-Geral da Saúde (DGS), a primeira grande subida de novos casos diários de Covid-19 ocorreu entre o final do mês de março e o início de abril de 2020. O número mais alto atingido nessa altura foi de 1.516 novos casos no dia 10 de abril. 

Recorde-se que as escolas encerraram no dia 16 de março e só reabriram em setembro para o novo ano letivo: os alunos tiveram aulas à distância em abril, maio e junho. No entanto, houve um período de Férias entre 27 de março e 14 de abril, relativas à Páscoa, que coincide com esse aumento de infeções de Covid-19.

Posteriormente, os casos positivos de novo coronavírus decresceram e estabilizaram entre os 200 e os 300. Nos meses de verão, caíram mesmo para cerca de uma centena. Apesar destes valores, houve ameaças de cercas sanitárias localizadas, como foram os casos de Lisboa, Algarve e Reguengos de Monsaraz, mas nenhuma avançou.

O segundo grande aumento surgiu entre os inícios de outubro e novembro, altura em que se passou de várias centenas para mais de 7 mil casos diários. Nesta fase, o dia com mais novos casos foi o de 4 de novembro, com 7.497 infetados. Os estudantes estavam, então, a ter aulas presenciais nas escolas.

Os casos voltaram a descer moderadamente durante o restante mês de novembro e até aos dias anteriores ao Natal, quando se atingiram números em torno de 4 mil. A partir desta data, o número de novas infeções diárias voltou a disparar, até mais de 10 mil casos diários, e o novo máximo foi atingido ontem, dia 16 de janeiro, com 10.947 infetados confirmados em 24 horas. Nessa altura, os estudantes gozavam um período de Férias de Natal entre 19 de dezembro e 3 de janeiro.

Em suma, o primeiro-ministro tem parcialmente razão, porque a primeira e a última ondas de crescimento de novos casos de Covid-19 começaram durante o período de Férias escolares e numa altura particular do ano em que os contactos entre pessoas são mais propícios. Contudo, o segundo grande aumento, entre outubro e novembro, ocorreu durante o período de atividades letivas.

________________________________________

Avaliação do Polígrafo:

Siga-nos na sua rede favorita.
Impreciso
International Fact-Checking Network